A Apple chama tanto a atenção para o iPad e o iPhone 4, que uma de suas novidades mais interessantes para 2010 está passando (quase) despercebida pelos consumidores: o novo iPod nano.

Esse é um modelo que sempre fica ali no canto, abalado pelos gigabytes e funções superiores de seus colegas. Mas, mesmo assim, atrai um público cativo, que encontra nele um tocador de MP3 simples, básico e de design bonitinho.

O nano evoluiu bastante desde que foi lançado há cinco anos, como uma mera evolução do iPod mini. Ele começou em formato de barra, apenas preto ou branco, depois ganhou mais cores, câmera e até virou gorducho – mas, sempre com o click wheel, a famosa rodinha da Apple.

A 6ª geração do nano, que acaba de ser lançada, traz a mudança mais radical do modelo. Ele agora está menor que uma caixa de fósforos (46% menor e 42% mais leve que o modelo anterior) e com um visual semelhante ao shuffle – inclusive tem um clipe para prender na roupa. E, assim como os primos ricos, ganhou uma tela sensível ao toque de 1,5 polegadas com tecnologia multi touch.

O Virgula Lifestyle testou o novo modelo e chegou a conclusão de que essa é a versão mais interessante do tocador. Saiba os motivos logo abaixo.

Gaste o seu dedão

Quem já teve um nano antes sabe que o aparelho, pela finura, é perfeito para esconder em bolsos, principalmente os do jeans. A 6ª geração rompe com esse costume: ele ficou tão pequeno e leve que a melhor maneira de guardá-lo é preso à roupa.

A tela touch screen, que pelo tamanho parece ser o calcanhar de Aquiles do gadget, é o seu principal trunfo. Como o novo nano não tem o botão de “home” igual ao do iPhone ou do iPod Touch, todos os comandos exigem que se deslize os dedos levemente pela telinha.

Para avançar é só correr os dedos na direção da direita; o contrário serve para voltar ao menu. Para selecionar uma música, basta tocar na tela apenas uma vez para poder pausá-la ou acessar a canção seguinte ou anterior. Já para correr pelas informações é só passar os dedos na vertical.

A tela inicial pode ser personalizada: para trocar os widgets de ordem e só pressionar um deles. Quer dar zoom nas suas fotos? Bastam dois toques para ampliá-las. Na boa: são atividades tão simples que impressionam e apenas mostram o porquê de a Apple produzir os eletrônicos mais intuitivos do mercado.

Para quem busca dar uma pausa no MP3 e deseja voltar ao bom e velho rádio, o novo nano não também tem essa função. Nos testes, ele sintonizou estações sem problemas – basta dar um toque na tela para escolher suas favoritas, que serão memorizadas.

Em um breve resumo, o caçula da linha de iPods é bastante carismático. Apesar das novas inovações e funções, ele continua com o espírito da linha, que é a de aliar diversão com simplicidade.

O seu único porém, no Brasil, é o preço. Os modelos de 8 GB e 16 GB, disponíveis em sete cores diferentes, custam R$ 549 e R$ 649 respectivamente, mais que o dobro do valor deles nos Estados Unidos.

Novo iPod nano passa por ‘extreme makeover’, mas mantém a diversão e a simplicidade de sempre

Sem mais artigos