O Twitter, por incrível que pareça, já tem quatro anos de vida. E, desde seu lançamento, o microblog nunca passou por uma mudança tão radical quanto a que está sendo introduzida aos usuários aos poucos, em pílulas, há cerca de duas semanas.

O convite do #newtwitter surge do nada, ele apenas aparece no seu perfil caso você esteja conectado no twitter.com. Se estiver usando programas terceiros, como Tweetdeck e Hoot Suite, isso não acontece. E foi justamente nesses programas que o Twitter se baseou para lançar a nova versão.

A empresa soube aproveitar algumas das melhores inovações desses aplicativos e os integrou à versão oficial. O objetivo é que o usuário possa navegar pela página sem nunca sair dela, como costumava acontecer bastante.

A principal novidade do novo desenho são as duas telas. A da esquerda exibe a tradicional timeline, com o ranking de posts das pessoas que você segue. A da direita mostra seu perfil, quem você segue e quem lhe segue, dicas de quem seguir, os trending topics… Enfim, o de sempre.

A novidade é que essa tela é mutante. Exemplo: cada post agora tem um botão de uma seta no alto do canto direito. Ao clicar nela, surgem informações “de bastidores” daquela mensagem, como quem também usou aquela hashtag, quem deu reply e também uma breve história dos últimos microtextos escritos pela pessoa responsável do post.

Essa mudança deixou muito mais fácil a navegação e a própria busca, principalmente para quem for publicar links de fotos e vídeos. O Twitter fez parcerias com YouTube, Flickr, Vimeo e outras empresas, o que permite agora abrir imagens e filmetes na própria home do microblog – sempre ali, na tela mutante da direita.

Parece besteira, mas essa divisão da telas “obriga” o usuário a ficar logado na página, sem nunca desconectar. A intenção é essa mesma.

Outra novidade que simplificou a troca de mensagens, principalmente entre aqueles que costumam falar entre amigos, é um serviço de autocompletar. Basta colocar o @ que o serviço sugere alguém de seus seguidores. O mesmo acontece no momento de enviar uma direct message (mensagem pessoal).

As mudanças, em um resumo, deixaram a navegação do Twitter mais ágil e simples, algo que sempre foi o ponto fraco do site. Não ficou perfeito, claro, pois ainda faltam serviços básicos como um encurtador de URL automático e um botão para gerar links de arquivos.

E, para quem não gostar das novidades, é só negar o #newtwitter e continuar usando o modelo da velha-guarda. A empresa promete que não vai enfiar a nova versão goela abaixo de ninguém. O que é ótimo.

Sem mais artigos