Na 23 de maio, um total de duas mil motos circula por hora e sentido durante os horários de pico. Já nas marginais, no mesmo horário, passam entre 1,7 mil e 2 mil motos. A avenida e as marginais são as recordistas de morte na cidade.

A idéia de criar uma pista exclusiva para motos existe desde setembro de 2006, data em que foi criada a via para motoqueiros na Avenida Sumaré. Lá, passam cerca de 300 motos por hora. De acordo com a CET, a pista, que teve entre 85% e 97% de adesão por parte dos motoqueiros, ainda está em estudo e não é possível saber ao certo se sua criação trouxe resultados positivos.

Para o líder do Sindicato dos Trabalhadores Motociclistas de São Paulo, Aldemir Martins de Freitas, o Alemão, a criação da faixa na Sumaré – chamada de “motovia” – era reivindicada pela classe há 6 anos. “A motovia é a salvação para São Paulo em matéria de acidentes no trânsito. Por isso lutamos por ela durante tanto tempo”, afirma.

Solução é investir na educação no trânsito, diz Alemão

Para motociclista, pista na Sumaré é "salvação"

Sem mais artigos