Se você ficou em São Paulo no feriado em que a cidade comemora 457 anos, que tal aproveitar que a cidade está vazia pra fazer um roteiro tipicamente paulistano? De padaria a balada gay, veja nossas dicas para curtir a urbe.

MANHÃ

– Paulistano que se preze adora tomar café da manhã na padaria. Opções tem de monte, desde as 24 horas, como a Bella Paulista, na região da Cerqueira César, que atrai a galera da madrugada, até as mais tradicionais, como a Benjamim Abrahão, em Higienópolis. Apesar de não ter salão para receber os que querem comer por ali, outra padaria bem tradicional da cidade é a São Domingos, na região do Bixiga. Dizem que é o melhor pão italiano da cidade e ao dar uma passadinha por lá é quase imposível que você resista a levar umas entradinhas para o almoço. Outra opção bem paulistana é a Bakery Itiriki (Rua dos Estudantes, 24 – Metrô Liberdade – Centro), padoca que imita as padarias japonesas e fica no coração do bairro Liberdade. Vale a visita pelos pães e pela oportunidade de passear e fazer compras pelo bairro, outro programa que paulistano adora fazer.

– Se você prefere um jeito mais light de começar o dia, que tal um passeio de bike pela cidade? Um bom roteiro pra quem está começando é pela zona sul de Sp. O Jardim Europa é um bairro delicioso para pedalar. As ruas são arborizadas, silenciosas, o Mube (Museu Brasileiro de Escultura) fica ali no caminho e você ainda pode passar pelos deliciosos bistrôs que ficam escondidos pela Vila Olímpia e pelo Itaim. Saindo dos bairros do Brooklin, Moema, Planalto Paulista e Campo Belo você pode seguir por algumas das ruas paralelas à avenida dos Bandeirantes e cruzar a Ibirapuera e a Santo Amaro. Daí é só seguir pelo Itaim em direção ao Jardim Europa e aproveitar a paisagem. Dali para pinheiros, basta atravessar as avenidas Gabriel Monteiro da Silva e Rebouças. Esse roteiro, além de agradável, é ótimo para iniciantes já que não passa por nenhuma grande avenida.

ALMOÇO

– São Paulo é um sonho para quem gosta de comer bem. Considerada a capital gastronômica do País, a cidade é famosa por abranger todo tipo de culinária. A praça de alimentação do Mercado Municipal, por exemplo, é uma prova dessa diversidade. Se a ideia é apostar num clássico paulistano, não deixe de provar o famoso sanduíche de mortadela. Dica: só peça se estiver com muita fome, pois o lanche é enorme! Se quiser fugir do clichê, há opções de comida árabe e italiana, que também não deixam a desejar.

– Outra opção famosa da cidade são as churrascarias. Se você não se importa com garçons rodando o salão com peças de carne no espeto, rodízios famosos como o Fogo de Chão valem a pena e são bem tradicionais. Se você prefere um ambiente mais clean, restaurantes como o Fiqueira Rubayat possui áreas abertas e salão bem espaçoso.

TARDE

– Cinema é o que não falta na cidade. Tem opções bem diversas, que agradam desde os fãs de blockbusters, como a rede Cinemark, até os mais cinéfilos, que dispensam as grandes bilheterias e preferem os filmes de arte. Nesse caso, o Espaço Unibanco, o Reserva Cultural e o Cine Belas Artes – todos na região da Paulista/Consolação – agradam em cheio. Dica: Não deixe de ir ao Cine Belas Artes, que corre o risco de fechar suas portas em breve. É Um dos mais antigos da cidade.

– Nem só Museus mundialmente conhecidos, como o Masp, atraem os paulistanos, o Museu do Futebol, no estádio do Pacaembu e o Museu da Língua Portuguesa, na estação da Luz, são ótimas opções para fugir do óbvio.

NOITE

– Nada mais típico do que encerrar o dia com pizza ou sushi. Mais uma vez as opções são muitas. Entre as pizzarias, fique com as tradicionais Speranza, no Bixiga, Bráz e Jardim de Nápoli, ambos em Higienópolis. Se preferir um japonês, escolha um tradicional moderninho, como o Nakombi, em Pinheiros.

– Gosta de música sertaneja? Estique a noite no Villa Country. Seu estilo é mais eletrônico? Vá à rua Augusta e escolha uma opção por lá, como o clube Vegas. Curte mais samba? Na região da Vila Madalena/Pinheiros há inúmeras casas. Ó do Borogodó, Bar Samba e Samba da Vela são bem tradicionais. A ideia é dançar até morrer numa balada gay? The Week, na Lapa e Alôca, na Frei Caneca, não decepcionam.

Sem mais artigos