A Gendarmaria do Chile (guarda prisional) e o Movimento de Libertação Homossexual (Movilh) assinaram nesta sexta-feira (27) um convênio inédito que contempla, entre diversos pontos, levar às penitenciárias do país filmes relacionados às minorias sexuais a fim de erradicar a homofobia e a transfobia.

O acordo foi assinado pelo diretor de Gendarmaria, Juan Letelier Araneda, e o diretor da área de Direitos Humanos do Movilh, Rolando Jiménez, na Prisão Santiago 1, segundo um comunicado divulgado nesta quinta-feira (26). Imediatamente após a assinatura do acordo, será exibido em um telão um curta-metragem espanhol sobre a diversidade sexual.

O compromisso, resultado de vários anos de conversas com Movilh, permitirá, além disso, efetuar capacitações e cursos sobre diversidade sexual aos guardas e aos internos e promover concursos literários dentro da mesma temática.

“Nas prisões são comuns os abusos por razão da orientação sexual ou identidade de gênero entre os presos e as formas de expressão são brutais. Este é um setor de maior ou dupla vulnerabilidade que precisa de intervenção urgente e isso será feito a partir de amanhã”, afirmou Jiménez.

A iniciativa, que é respaldada pelas embaixadas do Reino Unido e da União Europeia, se inscreve na comemoração dos 45 anos do surgimento das marchas do Orgulho Gay no mundo.

Presos chilenos assistirão filmes gays para erradicar homofobia das prisões

Sem mais artigos