Tati Sacramento comanda um canal com seu nome

Facebook/Reprodução Tati Sacramento comanda um canal com seu nome

Tati Sacramento tem uma missão com os seus quase 40 mil inscritos no Youtube. A jornalista soteropolitana superou a insegurança disfarçada de timidez para falar de cabelo, beleza, boa forma e saúde com um discurso de empoderamento, representatividade e desconstrução racial poderoso por trás de cada linha.

O árduo caminho como youtuber fez com que ela até pensasse em desistir, ainda mais depois de receber algumas mensagens bastante pesadas. “Já recebi de uma menina de 17 anos uma mensagem dela pensando em se suicidar. Porque era negra, gordinha, morava no interior de Minas e não aguentava mais sofrer preconceito. Eu estava de férias em Morro de São Paulo e ela mandou uma mensagem pedindo por favor para eu conversar com ela porque estava pensando em fazer uma loucura”, disse ela.

No Youtube, Tati sofre com ataques racistas, falta de estrutura, cansaço e o peso de ter se tornado uma representante dentro desse universo de mulheres que, até ontem, não encontravam um espelho para se olhar de vez em quando em lugar algum. Ela mesmo irá te contar isso agora.

Tati

O começo
Decidir fazer um blog com um conceito híbrido. Então, em alguns momentos, eu iria falar sobre algo mais jornalístico, e em outros de assuntos mais pessoais, na primeira pessoa, com minhas impressões, esse tipo de informação. E o blog foi crescendo, e a receptividade foi incrível. Quando comecei a me mostrar neste blog, algumas seguidoras pediram um canal no Youtube, e aí foi um problema porque eu sou extremamente tímida. Mas hoje faço uma leitura de que não era timidez, era falta de segurança mesmo, de aparecer, foi um desafio muito grande. Eu gravei 30 vídeos e deixei no privado por estar sem coragem de tornar público por não ter essa referência muito forte, por eu achar que ia ser ridicularizada, por não me achar bonita, enfim. Por essa falta de referência. E aí um belo dia eu acordei e tornei meu perfil público. E aí ele cresceu muito, hoje já está com 40 mil inscritos e com o canal vieram os questionamentos das seguidoras, as inseguranças delas, esse problema de autoestima que é muito constante. Eu recebo tanto no meu canal quanto em mensagens enormes de inbox meninas pedindo ajuda. Pra você ter uma ideia, já recebi de uma menina de 17 anos uma mensagem dela pensando em se suicidar. Porque era negra, gordinha, morava no interior de Minas e não aguentava mais sofrer preconceito. Eu estava de férias em Morro de São Paulo e ela mandou uma mensagem pedindo por favor para eu conversar com ela porque estava pensando em fazer uma loucura. Nós trocamos telefone e eu comecei a conversar com ela sobre isso, falei da minha experiência, pedi pra ela sair daquele lugar comum, e tudo aqui que já falo sobre empoderamento de mulheres negras.

Representatividade
As meninas se acham feias, não se veem como mulheres capazes de estar dentro de um contexto social, de um grupo social. E isso chega com um impacto impressionante. O crescimento do meu canal só evidencia o quanto esse público necessitava de uma representatividade. Porque em 1 ano de canal eu bati quase 40 mil inscritos e, majoritariamente, as pessoas que interagem diretamente comigo são da população feminina negra e quando se falar negra tem outro recorte, porque essa coisa do cabelo tem uma simbologia muito forte para mulheres. E nós temos um cabelo que não é aceitado socialmente, é completamente fora do padrão. E eu tô falando de cabelo crespo mesmo, que cresce pra dentro, não tem aquele comprimento. E as meninas ainda sofrem – e eu me incluo nisso – com uma falta de recepção, de representatividade no mercado e na sociedade de modo geral. E o cabelo tipo quatro, dentro da moda afro, ainda sofre um preconceito muito grande.

Responsabilidade do Youtube na baixa popularidade dos canais negros
Eu até entendo a estratégia do Youtube. Hoje nós não temos um grande youtuber negro com 500 mil inscritos. Mas é problema de quem? Primeiro, dos próprios seguidores, que não estão acostumados com essa nova dinâmica de comunicação. Até então, nós tínhamos um contexto de uma mídia convencional que sempre ostentou modelos e pessoas de um universo branco. No Youtube, de um modo geral, essa representatividade é muito recente. As pessoas estão se adaptando. Principalmente negros, que, até então, tinham pouco acesso inclusive à informação e educação. Essa é a realidade e não tem o que questionar. Agora, a gente pensa em estratégias para comunicar essas pessoas que ‘ó, há algum tempo você não conseguia se ver nas revistas, televisão, propagandas, estética. Mas agora surge uma via alternativa, que é a internet, onde temos mais autonomia, e há uma possibilidade maior de representatividade’. Então é um processo de reeducar essas pessoas. Porque esse padrão é algo que fica assim no holístico, através de propagandas e etc. Cada um pode ter o seu padrão, se aceitando, se respeitando, e tendo representatividade. Então, a nossa responsabilidade enquanto youtubers negros é muito maior.

Youtubers negros na internet
Não é só falar de cabelo, boa forma, saúde e maquiagem, é o que existe por trás desse discurso, que é muito mais intenso e empoderado. É um discurso de muito empoderamento. É como falar de feminismo, por exemplo. Existe o problema da mulher branca, que é também vítima dessa sociedade machista, mas se você discute feminismo negro é ainda muito pior, então não tem como discutir na mesma seara, infelizmente. A gente tem que apoiar a questão da mulher, independente de ser negra ou branca, mas gostaríamos que a sociedade entendesse que a mulher negra perde muito mais que a mulher branca, tem muito mais desvantagens. Então nós que estamos hoje neste lugar de empoderamento, temos um compromisso e uma responsabilidade infinitamente maior. Costumo dizer que não ganho um centavo pelo que eu faço, mas tem a remuneração emocional. Você acha que eu não penso em desistir? Eu já pensei. Porque eu faço tudo sozinha. Eu filmo, gravo, edito, me programo, divulgo. Já tive um milhão de motivos pra desistir, até porque não recebo uma remuneração direta por isso. Penso em receber, mas o único salário que temos hoje é o emocional.

Missão
Eu penso muito sobre a responsabilidade do que eu estou iniciando agora. É uma relação que você nutre com a pessoa que está te ouvindo que tem que ser baseada em muita responsabilidade. Eu me policio o tempo todo, porque eu sei que muita gente tá me vendo e ouvindo. Me assusta um pouco, mas a gente precisa de referências. Quando eu vejo youtubers negras africanas, que são muito melhores e muito mais aceitas, eu me inspiro. Então eu sei que inspiração é algo necessário. Então eu me preparo diariamente para o compromisso com quem está me vendo, e eu sei que não é algo fácil, porque eu vivo e presencio o racismo todos os dias. É bem complexo, mas acredito que nós precisamos existir, para que meus filhos e netos possam viver numa realidade diferente. Quando eu comecei, eu fiquei ansiosa por não ver muitas youtubers negras. Mas elas não existem? Existem, mas falta espaço pra essas pessoas. O Youtube faz uma campanha enorme de divulgação e não é possível que não selecione uma youtuber negra. Não existe uma com 500 mil, mas já existem com 150 mil, 100 mil inscritos, que é um número muito importante. E aí quando comecei o canal eu fiquei nessa ansiedade. Nós só precisamos de espaço, e não é um espaço privilegiado não, é o espaço que todo mundo tem. Nós somos tão boas quanto. Mas eu estou preparada, porque é um processo de arcar com barreiras, críticas, racismo, já recebi muitas críticas racistas no meu canal, então como que lida com isso? Eu não respondo mais. Eu busco identificar a pessoa e falar no privado, porque o que elas querem é holofote. Então, é diferente essa relação.

Sem mais artigos