Em 1994, nascia o Mercado Mundo Mix (MMM), há 21 anos. E as novas gerações que frequentam o evento provavelmente não sabem da importância do MMM para a moda, a noite, a cultura de rua e o comportamento. Às vésperas da nova edição do mercado, em 18 e 19 de abril, o Virgula Diversão foi então pesquisar na fonte.

“O MMM surgiu de uma insatisfação pessoal minha e dos meus amigos daquela época, estávamos no começo dos anos 90 em São Paulo, e tudo começava a acontecer, como o início da música eletrônica, baladas, after hours, desfiles de moda, etc.”, conta Beto Lago, criador do evento. “Eu já trabalhava com moda e percebi que todas essas tribos não tinham um espaço onde elas se sentissem à vontade, então criei essa plataforma que é o MMM”.

O Mundo Mix nasceu quase ao mesmo tempo que o Festival Mix Brasil (dedicado ao cinema LGBT, e que surgiu um ano antes, em 1993), e até pelo uso da expressão “Mix”, muita gente confundia as duas coisas. O fato é que um se comunicava com o outro. Em ambos, a grande maioria do público (principalmente no início) era formada por gays, lésbicas e simpatizantes – a sigla GLS, em moda nos anos 90, atualmente substituída por LGBT.

“O MMM não só contribuiu como construiu, ao lado do Festival Mix Brasil, o primeiro movimento GLS do Brasil. Fomos nós os primeiros a levar para a mídia as questões relacionadas à sexualidade, juventude, e também fomos os grandes responsáveis pela popularização das drag queens nos anos 90”, diz Beto Lago.

Os pocket shows das mais famosas drags dos anos 90 no MMM eram históricos, como esse aqui da top drag Veronika, morta em 2007:

E claro, impossível falar em Mundo Mix sem lembrar do delicioso movimento clubber, que explodiu na noite de SP a partir de 1990 e virou febre que ardeu durante toda a década. A noite clubber tinha como principais fundamentos as “montações” (looks absurdos e inusitados, muitos deles construídos com peças adquiridas no Mercado Mundo Mix), a música eletrônica (dividida entre o techno que florescia, a dance music, e rescaldos da discoteca dos anos 70) e o comportamento, turbinado por certas “novidades”.

O Mundo Mix popularizou essas novidades e transformou em moda coisas como tatuagem, piercing, cabelos coloridos e diversas intervenções corporais, divulgando o conceito de body art – até então, os adeptos desses “adereços” eram vistos como underground e até malditos. Hoje, naturalmente, as novas tendências chegam via internet. “Muitas coisas obviamente mudaram, principalmente com o aparecimento da internet e redes sociais e a disseminação de tendências através desses meios. Naquela época só o Mercado Mundo Mix falava sobre moda e comportamento”, relembra Lago.

No vídeo a seguir dá para ter uma ideia do que era essa efervescência comportamental do MMM nos anos 90:

“Mas também infelizmente algumas coisas continuam iguais, como a falta de espaço para criadores e empreendedores, que ainda têm muita dificuldade, assim como no começo dos anos 90, de sustentar seu negócio sozinho, dados os altos impostos e leis trabalhistas que o Brasil pratica”, continua o empresário.

Este outro vídeo também mostra um pouco do que significava o Mundo Mix em 1999:

Quanto à moda, o MMM pode se orgulhar de ter praticamente lançado nomes importantes do fashion brasileiro, como Alexandre Herchcovitch e Marcelo Sommer, além de marcas que viraram mania, como A Mulher do Padre e Escola de Divinos. Mas o mercado da moda alternativa também mudou bastante nos últimos 21 anos. “Hoje muitas marcas e estilistas abriram lojas próprias e estão fechando em virtude da crise econômica e política brasileira”, comenta Beto.

“O aparecimento de marcas online impulsionou o movimento e essas marcas estão se aproximando do público pela primeira vez através do nosso evento. O comércio tradicional está careta e caríssimo, então o Mundo Mix se consolida como a grande opção para quem quer procurar marcas e produtos diferenciados mais baratos”, acredita ele.

E assim o MMM completa 21 anos, e a edição comemorativa acontece no próximo fim de semana, mesclando-se ainda à festa de 15 anos do D-Edge; o clube fará no Mercado a primeira edição de seu Raww Room, espaço itinerante com DJs – tocarão nomes internacionais como o alemão Roman Flugel e o americano Fred P, entre outros.

Mercado Mundo Mix
18 e 19 de abril – 10h / 21h
Entrada Franca

Raww Room São Paulo
18 e 19 de abril – 14h / 21h
Entrada R$35

Local:
Memorial da América Latina
Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 – Barra Funda / SP

Sem mais artigos