O fama dos clubes grandes do futebol mundial foi construída com o tempo. Tradição, títulos, torcida, rivalidade e história são cinco dos temperos principais e mais entusiasmantes deste esporte – e das coisas mais difíceis de conseguir por novas agremiações.

Porém, há sempre os que querem o seu lugar ao sol. Surgem, então, novos clubes, e pouquíssimos deles conseguem as proezas daqueles que já estão nos patamares mais elevados do circo futebolístico.

Quando conseguem títulos ou um destaque maior, sempre têm aquela sede de conseguir mais, como é possível sentir na fala de Antonio Mohamed, técnico do Tijuana, clube mexicano de seis anos de vida e que enfrenta o Palmeiras nas oitavas de final da Libertadores.

“É o momento certo para mostra que este grupo quer fazer mais história”, disse Mohamed, que já conseguiu o título do campeonato nacional na última temporada com os Xolos.

Na Europa, por exemplo, os dinamarqueses do Nordsjaelland conseguiram algo que poucos clubes daquele país alcançaram: a classificação para a Liga dos Campeões após serem campeões nacionais. Normalmente levando somente Copenhagen, OB ou Brondby – os três grandes de lá – para o continental, o clube de pouco mais de 20 anos de existência não fez muito na Champions, mas a participação em si já foi um grande feito.

No Brasil, os mais “jovens” que se aventuraram nas cabeças foram o Paraná e, principalmente, o São Caetano. O time da região metropolitana de São Paulo, fundado em 1989, foi duas vezes vice-campeão do Campeonato Brasileiro e uma vez vice da Libertadores, eliminando muitos clubes grandes pelo caminho, com mais frequência o Palmeiras, por exemplo.

Na galeria acima, conheça mais clubes “jovens” que já conseguiram feitos notáveis!

Sem mais artigos