Vivendo a expectativa de mais um campeonato, a ponteira Jaqueline já se prepara para a viagem a Doha, no Qatar, onde o Sollys/Nestlé disputará o Mundial de Clubes. Conhecendo a cultura dos Emirados Árabes, local em que a atleta esteve nos últimos dois anos, a jogadora conhece todas as restrições que enfrentará na vestimenta.

“É uma cultura totalmente diferente, a gente não pode usar shorts, blusinha que apareça decote, mas tentamos respeitar ao máximo. Até porque a gente sempre está de agasalho, de calça legging, uma blusa mais comprida. Mas, quando a gente vai de ônibus do hotel para o ginásio, cada um vai de shorts, top, da maneira que quiser. A restrição é quando vamos fazer passeio, temos de respeitar bastante a cultura. Eu acho ótimo isso, a gente passa tantas dificuldades por aqui, é legal ver o que eles passam por lá. Usar aquela burca com calor daquele, mas eles usam para manter a cultura”, disse a atleta em entrevista exclusiva ao Virgula Esporte.

“A gente tem de respeitar tudo que pede o figurino. O assédio é muito grande, eles acabam achando que pode ser prostituta, outras coisas que a gente não imagina que eles poderiam pensar, mas é dessa maneira”, completou.

Um pouco mais experiente por já ter competido algumas vezes em Dubai, Jaqueline tem servido também como “orientadora” das novas atletas do time, como Sheilla e Fernanda Garay.

“Já conversamos com todas elas. Elas estão adorando, elas são as mais ansiosas. Vamos para concentrar e ganhar esse campeonato. Mas é legal quando elas chegam para perguntar ‘que roupa eu levo? Não posso usar isso, aquilo?’”, finalizou Jaque.

A viagem do Sollys/Nestlé está prevista para a noite desta terça-feira (10). A estreia da equipe paulista no Mundial será no próximo domingo (14) contra o Bohai Bank, da China. O Rabita Baku, do Azerbaijão, é o outro time da chave.

Sem mais artigos