A exatamente seis meses do jogo de abertura da Copa das Confederações de 2013, que será disputada de 15 a 30 de junho no Brasil, ainda há muito a ser feito em quatro dos seis estádios que sediarão os jogos, e as obras estão sendo realizadas em ritmo forte para cumprir o prazo imposto pela Fifa.

Apenas os estádios de Fortaleza, cuja inauguração está prevista para este domingo, e Belo Horizonte estão preparados para o torneio que reunirá a campeã mundial Espanha, seis campeões continentais e a seleção brasileira.

Nas outras quatro sedes – Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Brasília -, milhares de operários se empenham em jornadas de trabalho exaustivas para conseguir entregar os estádios antes de 15 de abril, dia limite para a realização de um evento de teste.

A Arena Pernambuco é o único no qual ainda não foi concluída a construção das arquibancadas que em 16 de junho receberão torcedores para a partida entre Espanha e Uruguai, enquanto em cerca da metade do local a cobertura já foi instalada.

Em Recife, também preocupam as obras do metrô e da reforma da Avenida Recife, que deverá ser bastante usada pelos visitantes que chegarem para o torneio. As questões relacionadas à mobilidade são ainda mais importantes na capital pernambucana, já que o estádio está fora do perímetro urbano.

Os arredores da Arena Pernambuco se mostravam nos últimos dias um enorme terreno de terra cheio de guindastes, caminhões e milhares de operários ansiosos por terminar um viaduto e todos os acessos ao local, praticamente isolado no meio de uma floresta no limite de três municípios.

Em uma posição talvez mais comprometida que Recife, Brasília tem pendente a metade das obras físicas de seu Estádio Nacional, apesar de haver concluído todas as arquibancadas, segundo a diretora de Obras Especiais da Novacap, Maruska Lima.

Maruska garantiu que todos os materiais já foram comprados, o que acelerará os trabalhos, que têm a participação de 4,3 mil operários. Isso, segundo ela, permitirá que o local fique pronto a tempo da partida de abertura da Copa das Confederações, entre Brasil e Japão, a única que acontecerá na capital federal.

No Maracanã, no Rio de Janeiro, cerca de 5,5 mil operários trabalham com a intenção de inaugurá-lo antes de março. O trabalho mais delicado ainda pendente e que deverá ser concluído até janeiro é a instalação da coberta de teflon e fibra de vidro. A operação será bastante complexa devido ao tamanho da estrutura, de acordo com o presidente da Empresa de Obras Públicas (Emop), Ícaro Moreno.

A reforma do Maracanã melhorará a visibilidade e a mobilidade dos espectadores, e o estádio poderá ser esvaziado em oito minutos. Além disso, a vida útil do local aumentará 50 anos graças à recuperação das estruturas originais.

A capacidade será reduzida a 79 mil assentos e, embora mantenha sua característica forma circular, o estádio teve modificada sua estrutura interna, ao unir as duas antigas arquibancadas em uma tribuna contínua.

Com um calendário de obras um pouco mais avançado, Salvador inaugurar a Fonte Nova no final de março e para isso já começou a instalar as 50 mil cadeiras. O estádio é completamente novo, mas manteve a localização e o conceito original da antiga Fonte Nova, demolida em 2010. A arquibancada continua no formato ferradura para permitir a visão do Dique do Tororó.

Com tudo preparado, Fortaleza celebrará neste domingo a conclusão das obras do Castelão com um show do cantor Fagner, que terá a presença da presidente Dilma Rousseff. As obras aproveitaram 75% da estrutura original, mas a reforma o tornou um dos estádfios mais modernos da América Latina, numa lista que conta também com o Mineirão, em Belo Horizonte, cuja inauguração está marcada para a próxima sexta-feira.

Com uma capacidade de 62.170 espectadores, o Mineirão teve eliminados os pontos cegos da arquibancada inferior e agora se prepara para sediar três jogos da Copa das Confederações, incluindo uma das semifinais.



Apenas dois dos seis estádios da Copa das Confederações estão prontos para uso

Sem mais artigos