Veja fotos de André Brasil

André Brasil e o diretor de Esportes Aquáticos e Individuais do Clube Pinheiros, Marcelo La Terza Santos

Com dez medalhas paraolímpicas – sete de ouro e três de prata – em seu currículo, o nadador André Brasil agora sonha com saltos mais altos. A meta do atleta é disputar os Jogos Olímpicos.

“Quando penso nas Olimpíadas, eu não penso na medalha, penso na prova. E acho que os 100 m livre é uma prova viável para disputar. Sei que o tempo até 2016 (Jogos do Rio de Janeiro) irá melhorar, pois terão outras técnicas, mas é um sonho integrar a equipe principal olímpica brasileiro. Mas, isso é um sonho, pode ser que se realize em um Pan-Americano, Sul-Americano”, disse o atleta em uma coletiva de imprensa realizada no Pinheiros, clube pelo qual o nadador compete, nesta quarta-feira (12).

 

Apesar de sonhar com voos mais altos que as Paraolimpíadas, André Brasil reconhece que sentiu um pouco da idade em Londres, onde disputou oito provas.

“Eu posso dizer que senti o peso da idade. Quatro anos fazem diferença no sentido da respiração, da recuperação. E também vi que em Londres o nível foi mais forte, eu já não podia mais me poupar nas Eliminatórias como na China”, afirmou o ainda jovem nadador de 24 anos.

Apesar de sentir o cansaço de disputar oito provas, André Brasil vê Londres como um aprendizado para metas futuras. Agora, o atleta pretende focar a “qualidade” e não mais a “quantidade”.

“Eu acho que a grande lição que eu tiro disso tudo é que o esporte paraolímpico está mais profissional, acho que chegou o momento de focar muito mais nos resultados, no que eu quero. E para isso tenho como meta as provas de velocidade, 50 e 100m livres e costas”, complementou.

Atualmente, André Brasil nada pelo Pinheiros e conta com parceiros como Samsung, Deloitte e Caixa. Mas, apesar de ter parceiros, o nadador deixa o egoísmo de lado e pede “confiança” das empresas.

“Isso é um negócio, as empresas investem em mim, no Daniel porque temos resultados, quando a gente não tiver resultado, a vida continua. O que eu queria é que as pessoas acreditassem um pouco mais na gente, a gente concentra em poucos que têm resultado e esquece os outros de lado”, falou o nadador, para depois completar.

“Eu só queria uma coisa das pessoas. Credibilidade. Queria que as pessoas acreditassem na gente”, finalizou cobrando um maior apoio para os paratletas antes das conquistas.

Em Londres, André Brasil conquistou três medalhas de ouro e duas de prata. Em Pequim, quatro anos atrás, ele também faturou cinco medalhas, só que quatro foram de ouro e uma de prata.

André Brasil lida com uma deficiência na perna, pois é vítima de paralisia infantil após uma reação adversa de uma vacina.

Após dez medalhas paraolímpicas, André Brasil quer disputar 100m livre nas Olimpíadas

Sem mais artigos