Novas imagens aéreas de como está ficando a construção da Arena Pantanal foram divulgadas pela empresa responsável pelas obras do estádio. Com seis estruturas metálicas instaladas na nova cobertura, que terá 25.600 m², o palco de Cuiabá para quatro jogos da Copa do Mundo de 2014 segue avançando. Porém, como o relatório mensal do andamento das obras segue atrasado (veja mais detalhes aqui) os números seguem desatualizados e a última atualização apontava 80% de conclusão.

Foram instaladas duas estruturas metálicas que compõem a proteção do teto na parte frontal dos pórticos de sustentação da cobertura, localizada nos setores norte e sul.

Ao contrário do que ocorreu nas primeiras estruturas já fixadas na parte de trás dos pórticos, a estrutura metálica montada na área frontal receberá um material diferente: o policarbonato. A ideia de usar esse tipo de material se deve à economia de energia e ao aproveitamento de luz natural que ele proporciona.

Atualmente com 1.600 operários na obra, a Arena Pantanal possui outras frentes de trabalho além da construção da cobertura, sendo elas: preparação do campo, com a terraplanagem e a construção do sistema de drenagem; e execução de acabamentos internos, como colocação de forros, pisos e azulejos.

Com capacidade para cerca de 44 mil torcedores, o estádio tem previsão para ser concluído em dezembro deste ano. Porém, como a entrega do relatório mensal do andamento das obras ainda não foi entregue, a possibilidade de um novo atraso já preocupa as autoridades locais.

Problemas com as cadeiras

A secretaria especial da Copa do Mundo em Mato Grosso, juntamente com o Governo do Estado, resolveu suspender o pagamento da compra das cadeiras que serão instaladas na Arena Pantanal. Suspeitando de superfaturamento, o Ministério Público do estado acatou a medida por conta de um possível aumento de 150% no valor de cada assento.

Cada cadeira adquirida junto à empresa Kango Brasil por meio de um contrato assinado, após processo licitatório, saía pelo valor de R$ 436,8 a unidade, totalizando um montante de R$ 19,4 milhões. Lembrando que a mesma empresa que fechou negócio com o governo mato-grossense concorreu e perdeu licitação para fornecer as 72,4 mil cadeiras do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, que foram fechados por R$ 175 cada.

Sem mais artigos