Anunciado como reforço do Atlético-MG pelo presidente do clube, Alexandre Kalil, por meio do Twitter no último dia 06, o atacante Nicolás Anelka não será mais contratado, confirmou nessa terça-feira (15) o diretor de futebol do Galo, Eduardo Maluf.

“O presidente tuitou, estava tudo acertado. Hoje recebemos um email do Cristian (Cazini, agente do atleta), dizendo que Anelka, que é muçulmano, estaria participando de um encontro de muçulmanos no Kuwait. A grandeza do Atlético-MG é muito maior. O negócio está cancelado. Faremos uma representação contra o agente dele. Ele tinha a obrigação de nos confirmar do evento no Kuwait”, criticou Maluf.

O dirigente revelou que no final de março o representante de Anelka esteve no Rio de Janeiro e ofereceu o atleta ao Galo. Em 04 de março, segundo o diretor de futebol do Atlético, foi emitida uma passagem a aérea para Anelka e havia um pré-contrato assinado por Cazini, que esteve em Belo Horizonte junto a Claude Anelka, irmão do atacante de 35 anos. Os dois então disseram que o jogador teria problemas para embarcar e por isso só chegaria à capital de Minas Gerais nesta semana.

“Anelka falou com Ronaldinho Gaúcho, disse que havia um problema, que o passaporte estava retido. Demos a ele um limite para se apresentar, que era ontem (segunda-feira, 14). Tudo estava pronto, e hoje recebemos um e-mail de Cristian, no qual dizia que como Anelka se tornou muçulmano estava em um evento religioso no Kuwait”, relatou Maluf, que disse que pretende acionar a Fifa.

“Em nenhum momento conseguimos falar com o jogador. Falamos com o procurador e com o agente. A grandeza do Atlético-MG é muito maior do que Anelka. Portanto, ele é carta fora do baralho. A conduta dele mostrou que ele não é profissional”, disparou.

Sem mais artigos