Assim como vem acontecendo há algum tempo com times brasileiros que jogam em casa contra estrangeiros na Taça Libertadores, o Atlético-MG se deparou com uma retranca na Arena Independência nesta quinta-feira, mas conseguiu furá-la e venceu o The Strongest por 2 a 1 pelo grupo 3 da Taça Libertadores.

A vitória foi a terceira do Galo no torneio, o que mantém o vice-campeão brasileiro como um dos dois times que ainda têm 100% de aproveitamento no torneio continental. O outro é o Tijuana, que na quarta-feira derrotou o Corinthians no México.

A equipe do técnico Cuca ia dando de cara com um muro, mas conseguiu o primeiro gol no começo do segundo tempo, com Jô. Ronaldinho, que não convertia uma cobrança de pênalti havia três tentativas, desta vez acertou e marcou o segundo. Melgar descontou já nos acréscimos.

Assim, o Atlético disparou na liderança da chave, com nove pontos. O segundo colocado é o São Paulo, que também nesta quinta empatou em 1 a 1 com o lanterna Arsenal de Sarandí. Os argentinos somaram seu primeiro ponto e estão em último, atrás também do Strongest, que tem três.

De quebra, a equipe de Belo Horizonte chegou a 40 partidas de invencibilidade como mandante, 27 delas no Independência. A última derrota nessa condição aconteceu em dezembro de 2011, num clássico contra o Cruzeiro.

Brasileiros e bolivianos voltarão a se encontrar já na próxima quarta-feira. O embate desta vez acontecerá na altitude de La Paz, no estádio Hernando Siles.

Cuca tinha duas dúvidas para escalar o time, mas contou com força máxima. O zagueiro
Réver sofreu um corte no último domingo, em jogo pelo Campeonato Mineiro, teve que levar 26 pontos na cabeça, mas conseguiu entrar em campo com uma touca. Por sua vez, o meia Bernard perdeu 3 quilos devido a uma infecção na garganta, mas também esteve em campo.

No Strongest, o treinador Eduardo Villegas apostou na mesma escalação que deu trabalho para o São Paulo na última semana. Os bolivianos enfrentaram o Tricolor no Morumbi e foram derrotados de virada por 2 a 1.
O Galo já entregou seu cartão de visitas aos dois minutos do primeiro tempo, com uma sequência de dois escanteios. Num deles, Leonardo Silva cabeceou perto da trave.
A pressão dos donos da casa aumentou a partir dos 15 minutos, e, aos 16, Ronaldinho Gaúcho adiantou para Diego Tardelli, que concluiu em cima do arqueiro adversário. Vaca ainda defendeu a tentativa de Bernard no rebote, na sequência, Marcos Rocha bateu cruzado para longe.

Um minuto depois, Jô teve ótima oportunidade para abrir o placar. Ronaldinho recebeu na meia-lua, matou no peito e adiantou em elevação para o atacante, que parou na boa saída do goleiro Vaca.

Aos 20, a torcida atleticana levou um susto. Reina puxou o contra-ataque pela esquerda e tocou para o meio da área. Livre, Escobar tentou tocar por cima de Victor, mas pegou mal na bola e errou o alvo por muito.

A jogada não intimidou o time mineiro, que respondeu aos 29 minutos. Bernard passou pela marcação na direita e bateu forte no canto esquerdo. Vaca espalmou e, antes da conclusão de Jô, Bejarano apareceu para fazer corte providencial.

O Galo valorizava a posse de bola e demonstrava paciência, mas as oportunidades de gol foram ficando escassas até o intervalo. Quem ainda tentou antes da ida para os vestiários foi o Strongest, com Chumacero, que teve espaço na meia-lua, mas chutou fraco e facilitou o trabalho de Victor.

A etapa final começou com o segundo susto sofrido pelos torcedores na Arena Independência. Em cobrança ensaiada de escanteio, Méndez teve liberdade para chutar e mandou no cantinho esquerdo. Victor se esticou todo e espalmou, aos dois minutos.
Sumido no primeiro tempo, Diego Tardelli deu o ar da graça aos nove, quando deixou dois marcadores para trás na direita e cruzou de três dedos. Por trás da zaga, Bernard se posicionou para completar e acertou o pé da trave esquerda.

Um minuto depois, enfim a massa atleticana tirou o grito de gol da garganta. Ronaldinho Gaúcho levantou da esquerda, Méndez desviou e Jô arrematou de pé direito por baixo de Vaca.

Aos 15, em uma bobeada da zaga mineira, os bolivianos pediram pênalti. Após cruzamento rasteiro da direita, Soliz caiu na área e não conseguiu finalizar, gerando protestos ignorados pela arbitragem.

O Galo também teve do que reclamar, aos 20 minutos. Ronaldinho desceu em velocidade pelo meio e abriu na esquerda com Richarlyson, que rolou para o meio. Tardelli completou para a rede, mas o auxiliar Mauricio Espinosa apontou impedimento.

A pressão atleticana foi aumentando, e o segundo gol se tornou uma questão de tempo. Aos 28, Ronaldinho descolou lançamento para Marcos Rocha, que levou um carrinho dentro da área. Ignorando os últimos três erros, um deles pela seleção brasileira, o camisa 10 dez foi para a bola e acertou o cantinho direito, sem chances de defesa para Vaca.

Com a vantagem de dois gols, o Galo diminuiu o ritmo e passou a trocar passes à espera do apito final. Os visitantes, por sua vez, não mostravam força para reagir.

A última tentativa de aumentar a diferença aconteceu aos 35, num erro de Vaca. O goleiro soltou nos pés de Réver depois de escanteio batido por Ronaldinho, mas o zagueiro foi bloqueado.

A diminuição de ritmo virou preguiça, e o Atlético permitiu que o adversário se engraçasse. Aos 42 minutos, Ramallo chutou livre na esquerda da área e encobriu a meta; aos 47, depois do escanteio, Melgar, que entrara segundos antes, desviou para a rede. Por sorte, já não havia mais tempo para o empate.

Ficha técnica:

Atlético-MG: Victor; Marcos Rocha, Réver, Leonardo Silva e Júnior César; Pierre (Gilberto Silva), Leandro Donizete, Ronaldinho Gaúcho e Bernard (Richarlyson); Diego Tardelli e Jô (Alecsandro). Técnico: Cuca.

The Strongest: Vaca; Bejarano, Barrera, Méndez e Torrico; Chumacero, Soliz, Veizaga e Cristaldo (Ramallo); Reina (Melgar) e Escobar. Técnico: Eduardo Villegas.

Árbitro: Daneil Fedorczuk (Uruguai), auxiliado por seus compatriotas Mauricio Espinosa e Gabriel Popovits.

Cartões amarelos: Leonardo Silva (Atlético-MG); Soliz, Torrico e Veizaga (The Strongest).

Gols: Jô e Ronaldinho (Atlético-MG); Melgar (The Strongest).
Estádio: Arena Independência, em Belo Horizonte

Sem mais artigos