O Atlético-MG, campeão da Taça Libertadores e que está em fase de preparação para o Mundial de Clubes da Fifa, no Marrocos, pediu socorro na noite da última quarta-feira (04) à presidente Dilma Rousseff, que uma vez afirmou ser torcedora do clube, para que a verba da transferência de Bernard para o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, seja liberada pela Fazenda Nacional.

“Estamos pedindo socorro à nossa presidente”, declarou em entrevista coletiva o presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil.

A Fazenda Nacional bloqueou parte do dinheiro desembolsado pela equipe ucraniana pela transferência do meia Bernard.

A verba foi bloqueada, pois boa parte da dívida do clube refere-se a tributos que foram descontados, mas não repassados aos cofres públicos, informou a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) em comunicado.

Após conquistar a Libertadores, Bernard foi vendido para o clube ucraniano por 25 milhões de euros (US$ 33,9 milhões), mas um terço desse montante foi bloqueado.

O clube, de acordo com Kalil, teve que atrasar o pagamento de salários.

Kalil esclareceu que a equipe não está pedindo patrocínios de empresas estatais, como a Petrobras, nem isenção de impostos como acontece com Grêmio e Atlético-PR.

“Queremos que aceitem os acordos propostos por nós”, que incluem bens imóveis como garantia de pagamento, disse Kalil.

Sem mais artigos