Durante a entrevista coletiva da seleção brasileira, nesta quinta-feira (3), em Johanesburgo, Dunga rebateu as críticas da imprensa feitas após a vitória por 3 a 0 sobre Zimbábue em amistoso.

“…Se vocês observarem a nossa seleção… ou a minha, não é? Porque a seleção é minha, não é de vocês”, disse o técnico da seleção em resposta às críticas recebidas recentemente pela imprensa.

Dunga, que estava acompanhado na coletiva apenas pelo auxiliar-técnico Jorginho, declarou em sua defesa que quando a equipe erra em campo, o culpado é sempre o técnico.

Além disso, lembrou que em outras Copas do Mundo, como a de 1994, as reportagens e críticas dos jornais tinham o mesmo olhar sobre a seleção.

“Não pense que eu tenho alguma coisa contra (jornalistas) não. Cada um tem de fazer seu trabalho. Cada um pergunta o que quer e pode ouvir o que não quer. É uma democracia”, rebateu.

Jorginho, em defesa ao técnico da seleção, pediu para que os profissionais que os criticam peguem o microfone e façam perguntas, tentando conhecer melhor o ponto de vista deles.

“Eu vejo alguns corajosos que sabem fazer perguntas. Mas eu vejo alguns tão críticos que não sabem se expressar. Não quero generalizar. Quando a equipe joga mal, a gente sabe que jogou mal. Mas alguns levam apenas para o lado negativo”, comentou o auxiliar-técnico.

Quando questionado sobre sua atuação como comentarista na Copa de 2006, Dunga declarou que “comentava questões técnicas, dentro de campo, nada mais”, e que “ficava muito no estúdio”.

“Tem de haver uma certa privacidade. Está se criando um espaço enorme (na mídia), mas nem sempre há tantas notícias. Tem-se poucas entrevistas exclusivas, e isso pode magoar alguns”, conta. “Mas a gente tem que fazer o melhor para a seleção brasileira. Para o torcedor sorrir”, acrescentou.

Dunga declarou que, por conta desse tipo de especulação, tem fechado os portões da concentração e deixado de permitir entrevistas exclusivas.

“Pra mim seria ótimo sempre ter treinamentos abertos, com o calor do público, mas as experiências do passado mostraram que é preciso se prevenir”, disse.

O técnico justificou que os treinamentos servem para unir a equipe e trabalhar os defeitos, como “a ansiedade de chegar logo ao gol, o que a gente vai diminuindo”, mas que abrirá as portas no treinamento desta quinta para receber o carinho dos fãs.

“Essa alegria, esse calor, essa coisa apaixonante do torcedor, do povo, pra fazer a festa do futebol, porque essa é a intenção do futebol”, afirmou o treinador.

“Jogador não gosta de treinar. Gosta de jogar, de estádio cheio. Eles treinam porque estão conscientes de que tem que melhorar, mas eles gostam mesmo de jogar”, finalizou.

Sem mais artigos