Após o título do Real Madrid em 2011 e o do Barcelona em 2012, em campanhas nas quais tiveram que vencer o grande rival para se sagrarem campeões, as duas maiores equipes da Espanha se enfrentarão nesta terça-feira, pelas semifinais da Copa do Rei, em duelo com caráter de desempate no Camp Nou.

Há duas temporadas, o Real ficou com a taça do torneio nacional ao derrotar o Barça na final disputada no estádio Mestalla, em Valência, com gol de Cristiano Ronaldo na prorrogação. Um ano depois, os catalães deram o troco eliminando os madrilenhos nas quartas de final e vencendo a competição com um triunfo sobre o Athletic Bilbao na decisão.

Os dois rivais estão praticamente iguais de agosto para cá quando o assunto é o superclássico. Houve empate em 1 a 1 no duelo de ida pela Copa do Rei, em 30 de janeiro, e em 2 a 2 no dia 7 de outubro, pela sétima rodada do Campeonato Espanhol.

Nos dois primeiros confrontos da temporada, pela Supercopa da Espanha, houve uma vitória para cada lado com a mesma diferença de gols. O Real só ficou com o título por ter feito um gol a mais como visitante.

As duas equipes ainda se reencontrarão cinco dias depois, desta vez no estádio Santiago Bernabéu, novamente pelo Espanhol, em que o Barcelona tem 16 pontos a mais que os comandados de José Mourinho e caminham a passos largos rumo ao título.

Ao futebol em si e à rivalidade somou-se nas horas que antecedem ao clássico uma polêmica, a escalação do árbitro Alberto Undiano Mallenco, que apitou a final de 2011.

A escolha foi criticada pelo técnico interino do Barcelona, Jordi Roura, que destacou a “permissividade” de Mallenco na ocasião. Mourinho tratou de responder rapidamente com ironia, dizendo que prefere ignorar a reclamação e ficar com “a lição de desportividade” dada pelos rivais no passado.

A pressão é forte dos dois lados. No Real Madrid, como o título espanhol se tornou praticamente impossível, resta a Copa do Rei e a Liga dos Campeões, em que o time empatou em 1 a 1 em casa com o Manchester United no primeiro jogo pelas oitavas de final.

No Barça, a situação era mais tranquila até a derrota por 2 a 0 para o Milan, também pela ‘Champions’. A vitória sobre o Sevilla por 2 a 1 no último sábado atenuou a situação, mas uma eliminação em casa para o maior rival pode derrubar o moral visando o segundo confronto com os ‘rossoneri’.

As dúvidas de José Mourinho quanto aos titulares são públicas. O português não esconde de ninguém que três vagas estão em aberto. Uma delas é na defesa, em que as boas atuações de Varane podem fazer com que Pepe, Sergio Ramos ou Arbeloa sejam sacados.

No meio-campo, Kaká “reivindicou” um lugar entre os 11 ao fazer um gol e iniciar a jogada de outro na vitória de virada por 2 a 1 sobre o Deportivo La Coruña, no último sábado. Por fim, Karim Benzema e Gonzalo Higuaín disputam o posto de referência no ataque. Ainda preterido pelo treinador, Marcelo mais uma vez dá lugar a Fabio Coentrão.

Já Jordi Roura tem grandes preocupações com o sistema defensivo, que sofreu pelo menos um gol nos últimos 11 jogos. Apesar disso, Piqué e Puyol têm lugar assegurado entre os que começam a partida.

Sem nenhum desfalque, Roura deverá promover a volta de Villa à formação principal. Assim, Iniesta será recuado novamente ao meio-campo, enquanto Fàbregas ficará no banco de reservas.

Sem mais artigos