Os 20 clubes da primeira divisão do Campeonato Inglês assinaram nesta quinta-feira um acordo para limitar seus déficits que podem assumir a longo prazo e cotar as verbas destinadas a salários de jogadores, novas normas cujo descumprimento poderá acarretar em perda de pontos no torneio.

De acordo com anúncio feito pela organização da competição, a partir de julho deste ano, as equipes da elite do futebol do país não poderão acumular perdas de mais de 105 milhões de libras (R$ 325,3 milhões) em um período de três temporadas, até a 2015/2016.

Caso excedam esse limite, os clubes serão obrigados a responder perante uma comissão disciplinar independente com capacidade sancionadora, além de prestar contas com informação financeira detalhada durante um período de três anos, no qual os donos do clube deverão custear a dívida pendente.

“Os clubes entendem que se excederem o limite estudaremos a imposição de punições mais duras, incluindo a perda de pontos”, afirmou o diretor-executivo da ‘Premier League’, Richard Scudamore.

Para Scudamore, as medidas impedirão que um clube modesto possa chegar ao topo graças a uma injeção pontual de dinheiro.

“Tentamos garantir que os novos proprietários possam investir uma quantidade de dinheiro adequada para melhorar o clube, mas que não possam injetar centenas e centenas de milhões em um curto período de tempo”, explicou.

Na temporada 2010/2011, o Manchester City, de propriedade do xeque Mansour bin Zayed, registrou as maiores perdas de um clube de futebol inglês em uma só temporada, 197 milhões de libras (R$ 610,3 milhões), enquanto o Chelsea, do magnata russo Roman Abramovich, perdeu 68 milhões de libras (R$ 210,7 milhões) no mesmo período.

Ainda nesse período, os 20 clubes da primeira divisão acumularam perdas de 361 milhões de libras (R$ 1,11 bilhão), mesmo tendo receita recorde de 2,3 bilhões de libras (R$ 7,1 bilhões).
A regulação definida nesta quinta prevê também outras medidas a curto prazo para restringir os gastos das equipes com maior orçamento.

Aqueles clubes que atualmente dedicam mais de 52 milhões de libras (R$ 160,8 milhões) a salários de jogadores poderão subir esse valor apenas até 56 milhões de libras (R$ 173,2 milhões) na próxima temporada. Essa limitação, entretanto, será aplicada exclusivamente aos fundos provenientes da organização do campeonato, essencialmente direitos televisivos, e dos clubes poderão dedicar fundos de outras fontes, como patrocínio, a salários. 

Clubes do Campeonato Inglês aceitam limitar perdas e aumentos salariais

Sem mais artigos