Cinco medalhistas dos Jogos de Atenas, em 2004, foram desclassificados nesta quarta-feira pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) porque suas amostras de exame antidoping, congeladas desde então, deram positivo após terem sido analisadas novamente.

Foram desclassificados o ucraniano Yuri Bilonog, ouro no arremesso de peso; a russa Svetlana Krivelyova, bronze na mesma modalidade; e os bielorrussos Ivan Tskikhan, bronze no lançamento de martelo, e Irina Yatchenko, prata no lançamento de disco.

O nome do quinto punido será anunciado pelo COI nos próximos dias porque o procedimento ainda não está completo. Segundo fontes relacionadas ao estudo dos casos, se trata do russo Oleg Perepetchenov, medalha de bronze na categoria até 77 quilos do levantamento de peso.

Os atletas foram desclassificados, e foi pedido que eles devolvam as medalhas e os diplomas que receberam nos Jogos, algo que será responsabilidade dos comitês olímpicos nacionais aos quais são vinculados, segundo informações divulgadas ao término da reunião do Comitê Executivo do COI.

O Comitê Olímpico Internacional conserva amostras dos Jogos Olímpicos durante oito anos de modo que seja possível que elas sejam analisadas novamente com métodos de detecção mais sofisticados ou quando novas substâncias sejam proibidas.

Com os últimos resultados obtidos, o COI decidiu que, em colaboração com a Agência Mundial Antidoping (Wada), analisará mais amostras guardadas de Atenas-2004.

O presidente do COI, Jacques Rogge, se mostrou de acordo com uma proposta para modificar o código da Wada para estender de oito a dez anos o período durante o qual as amostras podem voltar a ser analisadas. No entanto, disse que isso dependerá da garantia de que o sangue e a urina podem suportar esse tempo em condições adequadas.

Sem mais artigos