Nacional, do Paraguai, e San Lorenzo, da Argentina, começam a decidir na noite desta quarta-feira (06), às 21h15 (de Brasília), no Estádio Defensores Del Chaco, em Assunção, quem será o campeão de 2014 da Copa Libertadores da América. Sem contar com clubes brasileiros, quebrando assim uma série que durava desde 2004, a final improvável entre paraguaios e argentinos, que reúne os times classificados de pior campanha na fase de grupos, dificilmente quebrará o recorde de gols em decisões da competição, que já dura quase 40 anos.

Em 1976, na decisão da Libertadores entre Cruzeiro e River Plate, nada menos que 13 gols foram marcados pelas equipes. Como na época não existia o sistema de contabilizar gols a favor e marcados em casa, o Cruzeiro venceu a primeira por 4 a 1, perdeu a segunda por 2 a 1 e forçou uma terceira partida, que terminou com os mineiros vencendo por 3 a 2.

O mesmo número de gols foi marcado na decisão da Libertadores de 1966, novamente envolvendo o River Plate, mas com o Penãrol, do Uruguai, como adversário. Assim como aconteceu com a final em que o Cruzeiro disputou, foram necessários três jogos para se conhecer o campeão daquele ano.

O Peñarol venceu o primeiro jogo, em Montevidéu, por 2 a 0, perdeu por 3 a 2 a partida de volta, em Buenos Aires, levando a terceira partida para Santiago, no Chile. Assim como aconteceu em 1976, o River Plate perdeu novamente, desta vez por 4 a 2.

Outras três decisões de Libertadores alcançaram a marca dos dois dígitos em quantidades de gols marcados. Santos e Peñarol, em 1962, Independiente e Peñarol, em 1965, e LDU e Fluminense, em 2008, todas elas com dez gols marcados.

1962

Comandado por Pelé, o Santos de 1962 conseguiu a marca história de, junto com o Peñarol, do Uruguai, realizar uma final de Libertadores com 10 gols marcados. Após ganhar em pleno Estádio Centenário, por 2 a 1, com dois gols de Coutinho, o Santos acabou perdendo por 3 a 2 na Vila Belmiro, levando o terceiro jogo para o Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, que com mais de 60 mil torcedores, viu o Peixe derrotar os uruguaios por 3 a 0, com dois gols de Pelé.

1965

Independiente, da Argentina, e novamente o Peñarol, do Uruguai, também precisaram de três jogos para marcarem, juntos, dez gols na decisão da Libertadores de 1965. Com uma vitória argentina por 1 a 0 em Avellaneda e uma uruguaia por 3 a 1 em Montevidéu, o último jogo foi para Santiago, no Chile, e o Independiente venceu por 4 a 1, ficando com o título.

2008

Única final com dois jogo que conseguiu alcançar a marca dos dez gols, a decisão da Libertadores de 2008, entre LDU, do Equador, e Fluminense, foi realmente histórica. Após um acachapante 4 a 2 em Quito, o time brasileiro conseguiu reverter a situação no Maracanã, fazendo 3 a 1 e levando a decisão para os pênaltis. Nas cobranças, o tricolor bobeou, errou três cobranças e os equatorianos levantaram a taça.

Sem mais artigos