Um será sede da Copa do Mundo de 2014 e provavelmente receberá a abertura do evento, o outro está fora dos planos dos organizadores do Mundial. Um poderá receber até 68 mil pessoas, o outro contará com assentos cobertos para 45 mil espectadores. Um ficará em Itaquera, o outro na Barra Funda. Corinthians e Palmeiras estão construindo suas futuras casas, seus novos estádios.

As diferenças entre os projetos não param por aí. Enquanto o Palmeiras demoliu parte de seu antigo estádio para dar lugar à nova arena, o Timão aproveitou a “deixa” da Copa do Mundo para, enfim, construir o tão sonhado estádio que seus torcedores sempre almejaram. 

Os antagonismos entre as obras também são notáveis “a olho nu”. Enquanto o Palmeiras não joga em seu estádio desde a parada para Copa do Mundo de 2010 por conta das obras no local – sem contar as obras no clube, que já estavam acontecendo desde o início do ano passado -, o pontapé inicial do “Itaquerão” foi dado apenas em maio deste ano.

Essa diferença no start das obras é também perceptível no ritmo dos trabalhadores. Os quase 500 operários da arena corintiana trabalham freneticamente, enquanto os cerca de 400 “operários verdes” têm certa tranquilidade a mais em seus afazeres. Não é à toa. A arena palmeirense já conta com vestiários prontos, prédio administrativo prestes a ser entregue e a parte social do clube com previsão para ser completada no início do ano que vem. Já o “Itaquerão” ainda deve começar a construir suas primeiras arquibancadas em novembro deste ano.

Talvez uma questão que possa unir as duas construções é a polêmica nos bastidores. No Palmeiras, alguns meses atrás os próprios dirigentes e conselheiros de oposição e situação travaram uma verdadeira guerra no clube até que a WTorre, empresa responsável pela obra, pudesse ter a tranquilidade de continuar a construção sem maiores interferências. Já com o Timão, a contestação foi quanto a isenção fiscal de até R$ 420 milhões concedido por parte da Prefeitura de São Paulo para que o estádio saísse do papel.

Ambas as obras têm previsão para serem entregues em 2013. E, provavelmente, esse seja outro dos poucos pontos de semelhanças entre as futuras arenas dos dois clubes rivais. O Portal Virgula esteve em Itaquera e no Palestra Itália e mostra detalhes das obras para você.

Sem mais artigos