Prática comum nos anos 60, a presença de jogadores de futebol profissionais nos quarteis das Forças Armadas de seus países se tornou algo raro nos dias de hoje. Pelé, por exemplo, sempre era convocado pelo Exército Brasileiro e, inclusive, colocou os gols marcados no quartel em sua lista de mais de mil tentos. Já Neymar, principal nome do Brasil na atualidade, foi dispensado dos serviços militares logo em sua primeira chamada, em 2011 (relembre no vídeo abaixo), fato este que não se repetiu com o jovem Artur Pikk, da seleção da Estônia.

Convocado pelo técnico Magnus Pehrsson para o jogo contra a Inglaterra, disputado no último domingo (12), pela terceira rodada do Grupo E das Eliminatórias para a Eurocopa de 2016, o lateral esquerdo jogou os 90 minutos na derrota do seu país por 1 a 0 em pleno Le Coq Arena, na Estônia e, ainda no vestiário do estádio, não perdeu tempo e vestiu a roupa do exército para se apresentar no quartel.

O serviço militar é obrigatório em alguns países europeus, como é o caso da Estônia. Por isso, o jogador do Levadia, um dos clubes estonianos mais populares, teve deixar seus companheiros logo após a partida para ir QG. Detalhe: o jogo contra a Inglaterra era a estreia de Pikk na seleção principal.

Pikk, que foi titular da seleção contra a Inglaterra, agora está na base militar do exército localizada em Tallinn, capital da Estônia. Com o resultado negativo dentro de campo, o lateral viu sua seleção cair para a quarta posição do Grupo E, com três pontos conquistados e ficando fora da zona de classificação para a segunda fase das eliminatórias. A Inglaterra lidera a chave com seis pontos, dois a mais que Eslovênia e Lituania.

Assista no vídeo abaixo o gol da vitória da Inglaterra:

Sem mais artigos