O Corinthians conquistou nesta quarta-feira (17) pela primeira vez o título da Recopa Sul-Americana ao vencer o São Paulo no jogo de volta da final por 2 a 0, no Pacaembu, e, de quebra, ainda afundou o rival em uma crise sem precedentes nos últimos anos.

Os gols da partida foram marcados um em cada tempo, respectivamente, por Romarinho e Danilo. O duelo de ida também foi vencido pelos corintianos, por 2 a 1, no Morumbi, sacramentando um placar geral de 4 a 1 – uma superioridade que, pelo menos hoje, foi evidente a favor da equipe campeã.

Com a derrota, o São Paulo chegou a nove jogos sem vencer e a seis derrotas seguidas. Além da perda do título, está perto da zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro e já passou por uma conturbada troca de técnico.

Os dois times entraram em campo nesta quarta trazendo uma bagagem negativa e apostando no título da Recopa para tentarem embalar no resto do ano. O Tricolor chegou ao Pacaembu em crise e sob pressão de sua torcida. Já o Alvinegro continua sem convencer no Campeonato Brasileiro, ocupando a 12ª posição.

Recém-chegado ao São Paulo, o técnico Paulo Autuori não pôde contar com Jadson, que até participou do treino de terça-feira (16), mas não se recuperou de dores no tornozelo direito e foi vetado pelo departamento médico do clube. Com isso, a grande aposta do treinador para a armação foi Paulo Henrique Ganso, assim como na derrota do último fim de semana para o Vitória, pelo Brasileiro. O meia, porém, teve mais uma atuação discreta e não conseguiu produzir jogadas de perigo.

No Corinthians, Renato Augusto, que foi o grande protagonista do jogo de ida ao marcar o segundo e decisivo gol de sua equipe, começou no banco e só entrou no segundo tempo. Ele sofreu uma fratura no arco zigomático (osso do crânio próximo à bochecha) após se chocar com o atacante Souza em duelo contra o Bahia, no dia 7, e era dúvida para a final.

O treinador corintiano optou por um trio ofensivo formado por Romarinho, Guerrero e Emerson Sheik, este último com ânimo renovado após ampliar seu vínculo com o Corinthians até julho de 2015 e por completar, nesta decisão, 100 jogos pelo clube.

Nas numeradas do Pacaembu, quem pôde matar a saudade dos agora ex-companheiros de equipe – mas não da torcida – foi o volante Paulinho, negociado com o Tottenham, da Inglaterra. O jogador foi ao estádio e aos vestiários com a delegação corintiana.

Quando a bola rolou, o Corinthians partiu para o abafa adiantando sua marcação e pressionando a saída de bola do São Paulo, porém, só produziu um lance incisivo aos 11 minutos. Após Denílson perder a bola na defesa, o alvinegro armou um contra-ataque e a bola chegou a Danilo, que arriscou de fora da área e o goleiro Rogério Ceni mandou para escanteio.

O São Paulo só chegou ao ataque aos 16 minutos, quando Osvaldo – em jejum de 20 partidas sem marcar – avançou pela esquerda e chutou de longe, mas a bola passou por cima do gol de Cássio.

Embora o Corinthians dominasse as ações e ganhasse a disputa no meio de campo, a partida tinha poucos lances agudos, e o panorama assim prevaleceu até os 35 minutos, quando conseguiu tirar seu zero do placar. Sheik recebeu lançamento, entrou na área pela esquerda e cruzou rasteiro para Guerrero. O atacante peruano chutou e a bola foi travada pela zaga, mas, no rebote, Romarinho ganhou dividida com Juan e bateu colocado, à direita de Rogério Ceni, sem chance de defesa.

Atrás no marcador, o São Paulo só saía da defesa à base de chutões e não conseguiu se organizar em campo até o intervalo. Para o segundo tempo, Autuori promoveu a entrada do atacante Aloísio no lugar do volante Wellington.

Apesar da mexida, quem continuou a mandar no jogo foi o Corinthians, que poderia ter ampliado aos nove minutos se Fábio Santos, após avançar livre pela esquerda e ter Guerrero e Romarinho desmarcados como opções dentro da área, não tivesse escolhido arriscar chute e mandado a bola longe.

Mas, aos 23, Fábio Santos desta vez cruzou da esquerda para Danilo, que cabeceou para boa defesa de Rogério Ceni e aproveitou o rebote para marcar.

Os gritos de “olé” e “é campeão” ecoaram logo em seguida pela maior parte dos 36 mil pagantes que foram ao Pacaembu, e a partir de então o São Paulo pareceu já resignado com o resultado, esperando apenas o apito final do árbitro Paulo César Oliveira.

Com a vitória e o consequente troféu, o Corinthians conquistou pela primeira vez a Recopa e completou um ciclo de conquistas iniciado com o título brasileiro de 2011 e seguido em 2012 pelo da Libertadores e o do Mundial de Clubes.

Já ao São Paulo, que também teve o gosto de ser coroado nestas competições há poucos anos, resta buscar a recuperação no restante da temporada para evitar que a atual crise piore ainda mais.

Ficha técnica:

Corinthians: Cássio; Edenílson, Paulo André, Gil e Fabio Santos; Ralf, Guilherme e Danilo; Romarinho (Renato Augusto), Emerson Sheik (Ibson) e Guerrero (Pato). Técnico: Tite.

São Paulo: Rogério Ceni; Douglas, Lúcio, Rafael Tolói e Juan (Maicon); Wellington (Aloísio), Denílson, Rodrigo Caio e Ganso; Osvaldo e Luís Fabiano. Técnico: Paulo Autuori.

Árbitro: o brasileiro Paulo César Oliveira, auxiliado pelos compatriotas Márcio Santiago e Fabricio Vilarinho.

Gols: Romarinho e Danilo (Corinthians).

Cartões amarelos: Danilo (Corinthians) e Douglas (São Paulo).

Estádio: Pacaembu, em São Paulo.

Sem mais artigos