Matías Fernández, Lucas Barrios, Néstor Ortigoza, Jorge Valdivia e Edivaldo Rojas são alguns dos jogadores que apareceram no mundo do futebol com passaporte diferente do país em que nasceram e estão ficando cada vez mais comuns nas seleções sul-americanas.

A seleção que tornou “natural” a naturalização é a do Paraguai, com três atletas que não tiveram chances em seus países de origem. Um deles é o atacante Lucas Barrios, nascido na Argentina e que até poderia estar atuando pela seleção do Chile, onde passou boa parte da carreira.

No meio-campo, o técnico Gerardo Martino conta com Néstor Ortigoza, convocado por Diego Maradona em 2008, mas que não chegou a estrear e por isso, um ano mais tarde, passou a defender a ‘albiceleste’ graças aos dirigentes da Associação Paraguaia de Futebol (APF).

O terceiro deles, também nascido na Argentina, é o meia Jonathan Santana, que disputou a Copa América de 2007 da Venezuela e a Copa do Mundo de 2010.

Na seleção do Chile, o treinador Claudio Borghi, nascido na Argentina e com passaporte chileno, conta com o meia Jorge Valdivia, venezuelano de pais chilenos, e Matías Fernández, argentino com pai chileno.

Um dos destaques da primeira rodada graças ao gol que marcou no empate com a Argentina, o atacante Edivaldo Rojas nasceu em Cuiabá, foi formado nas categorias de base do Atlético-PR e conseguiu se naturalizar boliviano apenas dez dias antes do início da competição.

Outras seleções com naturalizados são a do Equador, que conta com dois atletas nascidos na Argentina, o goleiro Marcelo Elizaga e o zagueiro Norberto Araújo e a do México, cujo lateral Miguel Ángel Ponce nasceu na Califórnia, Estados Unidos.

A anfitriã tem entre seus 23 convocados o atacante Gonzalo Higuaín, nascido em Brest (França) quando seu pai, Jorge Higuaín, jogava no Campeonato Francês, mas aos dez meses viajou para Argentina, país que optou por representar.

Sem mais artigos