Apesar de ser a partida mais importante da carreira de qualquer jogador ou treinador, a final de uma Copa do Mundo não exige uma preparação especial, pelo menos segundo o técnico da Espanha, Vicente del Bosque.

Segundo o comandante da ‘Fúria’, que amanhã decidirá o Mundial da África do Sul contra a Holanda, o jogo não é difícil para os treinadores.

Para o técnico, “esta é uma partida das mais fáceis, porque chega tanta influência de fora que nós nem precisamos de palavras para motivar os jogadores”.

Se após o triunfo por 1 a 0 contra a Alemanha nas semifinais, Del Bosque preferiu não falar em “momento mais feliz da vida”, hoje o treinador espanhol reconheceu: “uma final de Copa é o máximo que se pode alcançar”.

“É evidente que vamos disputar um jogo que não se joga todos os dias”, completou.

Com cinco vitórias em seis jogos, todas conquistadas com um estilo de jogo de manutenção da posse de bola, o técnico garantiu que não mudará a forma de jogar da Fúria.

“Cada uma das equipes tem seu roteiro escrito e não acho que mudará em função do adversário. É certo, no entanto, que alguns detalhes precisam ser levados em conta, tanto por eles quanto por nós, e aí está a questão principal”, analisou.

Del Bosque ainda disse que não está planejando uma marcação especial ao meia Sneijder ou a qualquer outro jogador holandês.

“O outro dia, tínhamos (o alemão Mesut) Özil; outros dias, outros nesta condição (de craque do time); porque todas as equipes têm jogadores difíceis de serem marcados. Mas nós temos gente no meio do campo acostumada a controlar esse tipo de jogadores”.

Sem mais artigos