O deputado federal Walter Feldman (PSDB-SP) está na Bolívia, aproveitou viagem à Bolívia, para tentar conseguir a libertação dos 12 torcedores corintianos que estão presos no país sob acusação de envolvimento com a morte do jovem Kevin Beltrán, de 14 anos, em partida da Taça Libertadores, no dia 20 de fevereiro.

Em declarações à Agência Efed dadas La Paz neste sábado, o parlamentar sustentou que todos os detidos são inocentes e não tiveram participação alguma no lançamento do sinalizou que acertou o adolescente no olho, provocando sua morte.

“Não há nenhum indício consistente que demonstre a culpa de algum desses torcedores. Sete estavam fora do estádio durante o ocorrido, não há nenhuma confirmação de caráter material ou visual que confirme qualquer participação dos 12 jovens”, afirmou Feldmann.

O deputado está na Bolívia para uma das etapas da CPI do Trabalho Escravo. A visita foi feita para obter informações sobre as políticas do governo boliviano para proterger seus cidadãos que emigram para o Brasil, e para prevenir o tráfico de pessoas.

Há uma semana, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota esteve na Bolívia, pedindo às autoridades bolivianas que garantam “o pleno direito de defesa para os brasileiros e condições dignas na prisão”.

Hoje, Feldman relatou seu contato com os presos. “Falei com dois torcedores. Nos revelaram condições muito delicadas, desumanas e degradantes, principalmente para cidadãos inocentes”, disse o deputado à Efe.

O deputado federal disse ainda ter “esperança” da libertação, afirmando, que, no entanto, caso a situação não mude, apresentará na Câmara um requerimento pela formação de uma comissão especial para verificar as condições da prisão onde estão presos os torcedores.

Feldman concluiu sua visita revelando que pedirá ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que seja solicitado junto à justiça boliviana, a presença de um deputado e de um representante do governo na audiência dos 12 presos, marcadas para a próxima terça-feira.

Sem mais artigos