O Santos visitou o Joinville nessa quarta-feira (08) pelas segunda fase da Copa do Brasil e venceu por 1 a 0, resultado este que não elimina o jogo de volta, que acontecerá no próximo dia 22, na Vila Belmiro. O gol foi marcado pelo zagueiro Durval aos 37 minutos do segundo tempo (após cruzamento de bola parada feito por Marcos Assunção), o que dá ao Santos a chance de poder empatar no jogo de volta e ainda assim se classificar.

O time santista não teve Montillo, machucado e Léo, poupado, e jogou com três zagueiros – Edu Dracena, Durval e Neto –, além de cinco jogadores de meio-campo – Felipe Anderson, Arouca, Renê Júnior, Émerson e Cícero -, com Neymar e Miralles no ataque.

Com proposta mais defensiva do que o costume, o alvinegro deu as chances ao JEC, que contava com o apoio de sua torcida (cerca de 17 mil pessoas) e, logo aos cinco minutos, o goleiro Rafael já teve que trabalhar em um bom chute de Carlos Alberto.

A marcação dos paulistas não se acertava com a nova proposta tática de Muricy Ramalho, e o Joinville aproveitava, mas também marcava duramente Neymar, que sofreu várias faltas.

Só Cícero foi quem deu mais classe ao Santos, com um chute de longe, que fez Ivan praticar boa defesa, no jogo em que comemorava 100 apresentações pelo clube.

Um dos maiores destaques da primeira etapa foi o chapéu do volante Marcos Vinícius em Neymar, aos 31 minutos, levantando os torcedores do tricolor catarinense. No fim dos primeiros 45 minutos, Renê Júnior foi substituído, pois já tinha amarelo, e Marcos Assunção entrou para aproveitar-se das várias chances que o Joinville proporcionava, parando lances faltosamente.

O JEC começou novamente melhor a etapa, com Rafael salvando novamente, em cabeçada de Lima.

O uruguaio Martin Linguera fez sua estreia pelo clube de Santa Catarina mas perdeu uma chance incrível, logo aos 17 minutos. Perto da marca do pênalti, a bola sobrou limpa para o jovem, que mandou para fora.

Miralles, inoperante, saiu para André fazer a dupla com Neymar. Mas nem assim o Santos conseguia concluir as jogadas criadas pelo camisa 11, que voltava para armar os melhores lances.

Aos 36, outra defesa salvadora de Rafael. Após lance estranho na área, Ronaldo na oconseguiu balançar as redes.

Um minuto depois o time da casa sentiria a dor de na obter conseguido finalizar bem as chances que teve. Após mais uma falta no campo de ataque, o especialista Marcos Assunção levantou a bola desde a intermediária, achando o zagueirão Durval, que cabeceou e marcou o único gol do duelo. 

Depois, o que se viu foi o Santos segurando o resultado, aparentemente já preocupado com primeiro jogo da final do Campeonato Paulista, neste domingo (12), contra o Corinthians, no Pacaembu.

Sem mais artigos