Na luta para se tornar a primeira seleção a vencer dois torneios continentais e a Copa do Mundo em sequência, a Espanha não teve dificuldades para golear a Irlanda por 4 a 0 nesta quinta-feira, resultado que colocou a equipe de Vicente del Bosque na liderança do grupo C da Eurocopa.

Com o resultado obtido na Arena Gdansk, graças a dois gols de Fernando Torres, um de David Silva e um de Fàbregas, a ‘Fúria’ soma quatro pontos e supera a Croácia no saldo de gols. A Itália aparece em terceiro lugar, com dois, e a Irlanda, já eliminada, ainda não pontuou.

Os espanhóis ainda não estão classificados e, para não dependerem de combinações de resultado, terão que vencer a Croácia na próxima segunda-feira. No outro jogo do grupo, os italianos medirão forças com os irlandeses.

Del Bosque promoveu nesta quinta uma troca no time titular em comparação à primeira partida, o empate em 1 a 1 com a Itália. Fàbregas, que atuara improvisado como centroavante, deu lugar a Fernando Torres, um homem fixo de ofício na frente.

A Irlanda também teve apenas uma mudança em relação à derrota por 3 a 1 para a Croácia na estreia, justamente no ataque: Cox ganhou a vaga de Doyle, mas foi substituído por Walters no intervalo.

O jogo em Gdansk foi assistido das tribunas pelo treinador da Alemanha, Joachim Löw, que pode ter a atual campeã europeia e mundial como adversária nas semifinais ou na decisão.

Com direito a 62% de posse de bola, a Espanha foi dona do primeiro tempo, mas fez apenas um gol, logo no começo. Aos quatro minutos, Xavi enfiou para David Silva, que se embolou com a zaga e foi desarmado. Mas Torres pegou a sobra, deixou o marcador para trás e encheu o pé para fazer 1 a 0.

A campeã de 2008 continuou em cima, e por pouco não abriu o placar logo em seguida. Aos seis minutos, o goleiro Given defendeu chute de Silva; aos sete, Arbeloa ajeitou de cabeça e Torres arrematou para fora.

Fazendo o que mais sabe, ou seja, trocar passes com paciência, a Espanha administrava o duelo. Uma nova boa chance surgiu aos 23, quando Iniesta soltou a bomba de fora da área e Given espalmou. Na sequência, aos 24, Jordi Alba fez o chuveirinho e, pressionado, Silva cabeceou pela linha de fundo.

Os atacantes irlandeses eram meros espectadores, já que a boa marcação dos espanhóis não dava espaços nem para o contra-ataque. Por outro lado, Given trabalhava bastante, e aos 43 parou a finalização forte de Arbeloa, que foi acionado por ‘El Niño’. Aos 46, foi Iniesta que bateu da meia-lua, e o camisa 1 se esticou todo para espalmar.

Given continuou sobrecarregado após o intervalo, mas não conseguiu evitar que a ‘Fúria’ ampliasse, aos três minutos. Torres tabelou com Arbeloa e chutou forte. O goleiro espalmou para frente e, mesmo cercado por quatro adversários, Silva deu um toque sutil no canto direito.

O gol não abalou o arqueiro veterano, que continuou brilhando. Como aos dez minutos, quando Xavi ficou com a sobra depois de bate-rebate e buscou o canto. Given saltou bonito e espalmou para o lado. A zaga completou o serviço.

O tempo foi passando, e a Espanha diminuiu o ritmo aos poucos, mas ainda incomodava. As coisas ficavam ainda mais fáceis com os erros dos irlandeses, como aconteceu aos 25. McGeady foi desarmado no meio, Silva enfiou e Torres partiu em velocidade até tocar na saída de Given.

Em ritmo de treino, a ‘Fúria’ ainda fez mais um. Na cobrança curta de escanteio, aos 37 minutos, Fábregas recebeu dentro da área pela direita e chutou “com raiva” no canto direito. A bola ainda bateu na trave antes de entrar.

Sem mais artigos