As polêmicas em torno das manifestações homofóbicas ocorridas há duas semanas por parte da torcida do Sada/Cruzeiro contra o central Michael, do Vôlei Futuro, ainda repercutem no meio esportivo. O ex-jogador de vôlei e atual dirigente do Sesi-SP José Montanaro Júnior, que atuou durante dez anos com o jogador, ficou indignado com a situação vivida por seu ex-companheiro de equipe.

“É lamentável este tratamento da torcida. Demonstra um preconceito tão grande que eu fico indignado e não aceito isso seja onde for. O Michael jogou comigo por dez anos. Eu não conheço uma pessoa que não goste ou que tenha destratado ele”, disse Montanaro, em entrevista ao Portal Virgula na última sexta-feira (8), um dia antes do segundo jogo da semifinal, vencido pelo Vôlei Futuro e com grande atuação do central. 

“Isso não é exclusivamente com o Michael. Os atletas estão preparados para lidar com essa situação. As duas equipes deveriam ter contribuído para proteger o atleta e tentar controlar o caso. Não era motivo para expô-lo. O Vôlei Futuro, especialmente, poderia blindar um pouco mais o atleta e não dar atenção para isso. Isso só alimenta ainda mais o problema e não resolve. Se não levassem isso tão a fundo, o atleta estaria mais tranquilo”, completou.

Já o ex-levantador da seleção brasileira Maurício lamentou o fato e disse acreditar que providências contra este tipo de manifestação deverão ser tomadas.

“Fico triste com essa discriminação, mas acho que isso não tem de ser levado em conta, o que importa é o atleta por si só. Acredito que as providências serão tomadas e poderemos reverter isso”, afirmou Maurício.

Sada/Cruzeiro e Vôlei Futuro disputarão nesta sexta-feira (15) a terceira e decisiva partida em Contagem (MG). O vencedor enfrentará o Sesi-SP na final.

Ex-colega de time de Michael, Montanaro acredita que Vôlei Futuro errou no tratamento ao jogador

Sem mais artigos