O Atlético de Madrid não tomou conhecimento do Chelsea e venceu o rival por 4 a 1, conquistando o título da Supercopa da Europa, em partida realizada nesta sexta-feira no Estádio Louis II, em Mônaco.

Essa é a segunda vez que os ‘Colchoneros’ conquistam a competição. A primeira aconteceu em 2010, quando o Atlético, também detentor do título da Liga Europa, bateu a Inter de Milão por 2 a 0.

O destaque da vitória foi o atacante colombiano Falcão Garcia, autor de três gols, todos no primeiro tempo, durante 45 minutos de massacre dos campeões da Liga Europa. Miranda marcou o quarto gol do Atlético e Cahill descontou para o Chelsea.

Com a conquista de hoje, a Espanha leva para casa o quarto título seguido na competição. Além do Atlético, o Barcelona abriu a série em 2009 e repetiu o feito dois anos mais tarde.

As duas equipes entraram em campo com força máxima para o duelo. No Chelsea, David Luiz e Ramires, e no Atlético de Madri, Miranda e Filipe Luís, eram os brasileiros em campo. Havia grande expectativa, também, pela presença de Fernando Torres em campo, já que o jogador afirmara antes do duelo que não comemoraria se marcasse gol, em respeito a equipe que o revelou.

O tradicional palco da partida, o estádio Louis II, em Mônaco, recebeu a decisão pela 15ª vez, mas a última como sede fixa. A partir do ano que vem, a final será itinerante, a primeira dela em Praga, na República Tcheca.

E desde que a bola rolou, os madrilenhos se mostraram avassaladores, sempre comandados pelo artilheiro Falcão Garcia. Aos 3 minutos, Filipe Luís cruzou da esquerda e o goleador colombiano se adiantou a marcação, bateu forte, mas acertou o travessão.

Foram precisos três minutos, para que Falcao mostrasse que o dia era dele. Depois de receber belo passe de Gabi, o atacante definiu para as redes com categoria, abrindo o placar da decisão da Supercopa.

Apesar de apresentar maior posse de bola no início do confronto, o Chelsea não conseguiu ameaçar ao rival e aos 19 sofreu novo golpe, de novo com Falcão Garcia. Após furada de David Luiz, o colombiano ficou livre na entrada da área e deu leve toque, encobrindo Petr Cech.

Aos 34 minutos, Falcão teve nova chance, depois de furada bizarra de Arda Turan dentro da área, quando estava na cara do gol. A bola sobrou para o artilheiro que conseguiu cabecear, apesar de marcado, mas acertou a trave.

Antes do fim da primeira etapa o colombiano apareceu mais uma vez, fulminante. Depois de jogada de Turan, Falcão apareceu livre pela esquerda e bateu sem chances para o goleiro Petr Cech, sendo o segundo jogador a atingir um ‘hat-trick’ em decisões de Supercopa. O primeiro foi Terry McDermott, em 1977, na goleada do Liverpool por 6 a 0 sobre o Hamburgo.

No segundo tempo, o Chelsea voltou diferente, com Ramires deixando campo após sentir lesão muscular na primeira etapa. O brasileiro deu lugar ao compatriota Oscar. Aos 10 minutos, foi a vez do Atlético mudar a equipe, com Cristian Rodríguez entrando no lugar de Adrian López.

A pressão dos madrilenhos não mudou com a substituição, contudo. Tanto que aos 15 minutos, depois de bate-rebate na área, o zagueiro Miranda pegou rebote de Falcão García e tocou na saída de Cech. Cahill tentou o corte, mas não conseguiu evitar o gol.

E justamente Cahill acabou sendo o autor do gol de honra do Chelsea, aos 29 minutos do segundo tempo. Após escanteio cobrado por Lampard, o zagueiro cabeceou, a bola bateu na defesa do Atlético e no rebote, o próprio Cahill fuzilou o goleiro Courtois.

Aos 40 minutos, por pouco um brasileiro não voltou a balançar as redes. O lateral-esquerdo Filipe Luís recebeu passe de Cristian Rodríguez e bateu cruzado para a defesa de Cech. Com o placar definido, só restou aos ‘Colchoneros’ comemorarem, principalmente com a substituição de Falcão Garcia aos 42 minutos da etapa final, quando foi ovacionado pela sua torcida.

Ficha técnica:

Chelsea: Petr Cech; Branislav Ivanovic, David Luiz, Gary Cahill e Ashley Cole (Ryan Bertrand); Ramires (Oscar), Frank Lampard, Obi Mikel, Eden Hazard e Juan Mata (Daniel Sturridge); Fernando Torres. Técnico: Roberto Di Matteo

Atlético de Madri: Thibaut Courtois; Juanfran Torres, Miranda, Diego Godín e Filipe Luis; Mario Suárez, Gabi Fernández, Koke (Raúl García), Arda Turan e Adrian López (Cristian Rodríguez); Falcão Garcia (Emre). Técnico: Diego Simeone

Árbitro: Damir Skomina (Eslovênia), auxiliado por Primoz Arhar e Matej Zunic (Eslovênia)

Cartões amarelos: Ivanovic (Chelsea)

Gols: Falcao Garcia (3) e Miranda (Atlético de Madri), Cahill (Chelsea)

Estádio: Louis II, em Mônaco.

Sem mais artigos