O técnico Luiz Felipe Scolari afirmou na noite da última quarta-feira (19) que, além da Seleção Brasileira, há pelo menos outras oito capazes de conquistar a Copa do Mundo, e elogiou especialmente a Bélgica.

“Não há dois ou três favoritos, acho que pelo menos oito seleções têm condições técnicas de ganhar o Mundial”, disse o treinador em entrevista coletiva após participar do seminário sobre logística organizado pela Fifa em Florianópolis com os técnicos das seleções que vão disputar a competição.

Felipão admitiu que há seleções “fortes” que podem surpreender o Brasil, mas manteve a opinião de que a seleção dona da casa é a maior favorita.

“Obviamente aponto o Brasil como principal favorito”, frisou o técnico ao ratificar a enorme confiança na conquista do hexacampeonato, como já havia expressado nas últimas semanas.

“Uma torcida é capaz de ganhar uma partida. É importante e já disse isso. Temos um 12º jogador e a vantagem de jogar em casa. Temos uma seleção competitiva e de qualidade. Por tudo isso, acho que podemos chegar à final e sermos campeões”, destacou.

O treinador revelou que em 2002, quando conquistou o pentacampeonato com o Brasil, não estava tão otimista porque a seleção estava sem crédito e teve dificuldades nas Eliminatórias.

“Mas agora tudo é diferente. Estamos em casa e crescendo cada vez mais”, disse.

Felipão apontou a Bélgica entre as favoritas. Uma seleção que, segundo ele, não tem grandes valores individuais, mas que pode avançar na competição.

“No Mundial há astros como Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo, que com certeza são atrações. Porém, a Bélgica tem excelentes jogadores jovens, que estão se destacando na Europa e podem dar muito trabalho”, argumentou.

Sobre Cristiano Ronaldo, a quem comandou quando era técnico de Portugal, Luiz Felipe Scolari disse que se ele fosse jogador brasileiro, o convocaria para a seleção sem dúvida nenhuma. “Voto há anos nele no prêmio de melhor do mundo e sem dúvida teria um lugar na seleção. Nem que fosse de goleiro”, brincou.

O treinador confirmou que no dia 7 de maio anunciará os 23 convocados para a Copa e que no dia 13 do mesmo mês anunciará uma lista com outros sete jogadores reservas que poderão ser incluídos na relação caso alguém seja cortado.

A Fifa estipulou que até o fim de maio as seleções devem comunicar a lista dos 30 jogadores que cada país poderá convocar.

Quanto a possíveis surpresas entre os convocados, o técnico preferiu não mencionar nenhum jogador e negou que tenha consultado a comissão técnica do Palmeiras sobre as condições do atacante Alan Kardec, assim como ligado para Clarence Seedorf, técnico do Milan, para saber de Kaká.

Ao ser perguntado sobre a possibilidade de chamar Adriano “Imperador”, que voltou a jogar futebol na semana passada, pelo Atlético-PR, após quase dois anos longe dos gramados, o técnico afirmou que leva em conta todos os jogadores brasileiros, “alguns mais que outros, assim como alguns que jogam e outros que não o fazem há dois, três ou cinco anos”.

Felipão diz que oito seleções podem ganhar Copa e elogia Bélgica

Sem mais artigos