A Fifa tornou públicos nesta quarta-feira documentos que confirmam que o ex-presidente da entidade João Havelange e o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira receberam subornos milionários procedentes da ISL, que comercializou os direitos audiovisuais das competições do organismo até falir, em 2001.

A entidade divulgou o processo aberto pelo Tribunal do cantão de Zug, na Suíça, por gestão fraudulenta, o que foi a raiz de uma denúncia do organismo reitor do futebol mundial contra a empresa suíça.

O auto, de 11 de maio de 2010, revela que Teixeira recebeu da ISL pelo menos 12,74 milhões de francos suíços (R$ 26,4 milhões na cotação atual) entre 1992 e 1997, e Havelange, 1,5 milhão de francos suíços (R$ 3,1 milhões) em 1997.

A Fifa divulgou o documento horas depois que a Corte Suprema suíça sentenciou que a imprensa tem direito a acessar o sumário do caso ISL.

Os diferentes pagamentos contabilizados pela investigação e descobertos em contas pessoais dos dois ex-dirigentes ou de empresas vinculadas a eles chegaram a 21,9 milhões de francos suíços (R$ 45,4 milhões) entre 1992 e 2000.

Sem mais artigos