Quatro anos após a Copa de 2006, o meia Diego volta a sofrer com a frustração por fora da lista final para um Mundial. Em entrevista exclusiva ao Portal Vírgula, o craque da Juventus, da Itália, disse ter se decepcionado por não estar na lista dos 23 jogadores, mas prefere não condenar o treinador Dunga.

“Fui convocado por dois anos e depois saí da seleção, assim como aconteceu em 2006. Tenho muita vontade de jogar uma Copa do Mundo. Mas quem decide é o técnico da seleção. Ele fez o que deveria fazer, não podemos questioná-lo. Agora tenho que trabalhar forte para jogar bem e tentar voltar à equipe”, disse Diego.

Perguntado se sua frustração poderia fazê-lo vestir a camisa de outro país como tem sido costumeiro, haja vista casos de Deco, Pepe, Cacau, Marcos Senna, entre outros, o meia da Juventus não consegue se ver em tal situação.

“Não sei, mas não é uma situação na qual eu me vejo. Sempre defendi a seleção brasileira e não tenho interesse em jogar por outro país, nem posso fazê-lo”, falou o jogador.

Quando o assunto é Felipe Mello, Diego dá um recado para os críticos do volante. “Felipe Mello é um grande volante. Muitos falam mal do futebol dele aqui na Juventus, mas ele sempre se manteve como titular e confiaram nele o tempo todo. Além disso, vale lembrar que ele sempre mostrou muita eficiência na seleção brasileira. Ele merece estar onde chegou”, afirmou.

Para finalizar, o meia mantém a esperança, e diz que se for preciso brigará por uma vaga até em mundiais que ainda estão muito distantes . “A seleção é sempre um sonho, não importa em que Copa. Se eu estiver jogando um bom futebol em 2022, ainda estarei sonhando com ela. Apesar de já ter defendido muito a seleção brasileira, ainda não consegui disputar uma Copa do Mundo. Tenho que continuar trabalhando e buscar outras oportunidades”, completou.

Sem mais artigos