Um dos maiores jogadores do futebol brasileiro, talvez o maior se levarmos em consideração que Pelé é de outro mundo, Garrincha completaria nesta quinta-feira (28) 77 anos.

Mané ou Anjo das Pernas Tortas como ficou conhecido o craque do Botafogo e da seleção brasileira se destacou durante as Copas do Mundo de 1958 e 1962, principalmente na segunda quando Pelé se lesionou e não esteve em campo nas partidas finais.

Natural de Pau Grande, Rio de Janeiro, Manoel Francisco dos Santos ganhou esse apelido após sua irmã o comparar com um passarinho da região serrana de Petrópolis.

Para homenagear um ídolo unânime entre os botafoguenses e os amantes do futebol arte, o Portal Virgula separou dez causos para Mané Garrincha nunca sair das memórias dos brasileiros.

Enciclopédia – Quem?

Em seu primeiro teste na Estrela Solitária, Garrincha já encantou muitos após dar vários dribles para cima de nada mais nada menos que Nílton Santos, a Enciclopédia do futebol.

Vida pessoal

Destaque da música brasileira, Elza Soares encantou Garrincha antes da Copa do Mundo de 1962 quando a cantora fez uma apresentação para a seleção canarinho. Após problemas com bebida, o craque chegou a agredi-la e o relacionamento terminou. Dessa relação de 16 anos, nasceu Manuel Garrincha dos Santos Junior.

Canarinho

Pela seleção brasileira, Garrincha disputou 60 partidas e apenas em uma oportunidade saiu derrotado. Ao lado do Rei Pelé, o craque botafoguense nunca foi derrotado.

Alegria do Povo

Em seu epitáfio aparece a frase: “Aqui jaz em paz aquele que foi a alegria do povo – Mané Garrincha”

Homenagem

Garrincha era tão espetacular que foi lembrado por Carlos Drummond de Andrade em um de seus versos: “Se há um Deus que regula o futebol, esse Deus é sobretudo irônico e farsante, e Garrincha foi um de seus delegados incumbidos de zombar de tudo e de todos, nos estádios. Mas, como é também um Deus cruel, tirou do estonteante Garrincha a faculdade de perceber sua condição de agente divino. Foi um pobre e pequeno mortal que ajudou um país inteiro a sublimar suas tristezas. O pior é que as tristezas voltam, e não há outro Garrincha disponível. Precisa-se de um novo, que nos alimente o sonho.”

Eternizado

Ruy Castro, em um livro chamado “Estrela Solitária – Um brasileiro chamado Garrincha”, eternizou a história de um dos maiores jogadores de futebol da história

Outros times

Além do Botafogo, Garrincha também chegou a defender outros grandes clubes como Flamengo, Corinthians e o Vasco da Gama. No último, o craque jogou apenas uma partida.

Álcool

Acostumado a beber desde pequeno por criação, Garrincha teve diversos problemas com alcoolismo. Apesar disso, o craque morreu com edema pulmonar em 1983.

“Chato”

Era comum ver Garrincha driblar seus adversários mais de uma vez em um mesmo lance. Por diversas vezes, o atacante ultrapassou o rival, mas voltou apenas para fazer mais uma jogada de efeito.

Ídolo

O mundo se encantou com o talento do brasileiro: “Garrincha é um verdadeiro assombro. Não pode ser produto de nenhuma escola de futebol. É um jogador como jamais vi igual”, disse Gavril Katchalin, técnico soviético em 1962. “De que planeta veio Garrincha?”, destacou o jornal chileno “El País”. “Estávamos em pânico pensando no que Garrincha poderia fazer. Não existia marcador no mundo capaz de neutralizá-lo”, afirmou Nils Liedholm, meia da Suécia na Copa do Mundo de 1958.

E como não poderia ser diferente, o Portal Virgula deixa os parabéns para esse que foi o maior jogador da história do futebol mundial. Deixe sua mensagem para o ídolo nacional também.

Garrincha completaria 77 anos e deixa saudades em todos os amantes do futebol

Sem mais artigos