Derrotado por 2 a 1 para o Santos na segunda partida da final da Taça Libertadores, nesta quarta-feira, ficando com o vice-campeonato, o Peñarol teve seu desempenho no jogo disputado no estádio do Pacaembu e em toda a competição elogiado pela imprensa uruguaia.

“Peñarol demonstrou o que as equipes uruguaias são capazes de fazer e brigou até o final por um título que mereceu”, afirma o jornal “El Observador”.

“Para nós, é campeão”, acrescenta a publicação, que ainda destaca que o “Peñarol deixou a alma no campo, mas não conseguiu trazer o troféu. Mas mostrou que algo está mudando”.

Para o periódico, a equipe de Montevidéu deu “uma prova de coragem e rebeldia. Futebolisticamente, o Peñarol foi superado pelo Santos, mas reagiu nos minutos finais e, à base do coração, terminou lavando sua imagem em um torneio no qual chegou mais longe do que era pensado”.

O jornal mencionou também a briga generalizada que aconteceu no gramado logo após o apito final: “Um torcedor provocou, e o final foi lamentável”.

Por sua vez, o “El País” estampou em sua capa, fazendo referência aos títulos anteriores da equipe, em 1960, 1961, 1965, 1982 e 1987: “O sonho caiu em mil pedaços – escapou a sexta taça, mas foi sem pesadelo, porque houve coração”.

Sem mais artigos