É público e notório que Valdívia e Felipão estão em rota de colisão. Por isso, o assunto é o tema do momento no Palmeiras. Em entrevista à Rádio “Jovem Pan”, o conselheiro Osório Furlan Junior, que colocou dinheiro para comprar o atleta criticou a situação.

“O que fizeram com ele foi uma coisa meio que desumana”, afirmou, antes de completar: “ele foi forçado pela comissão técnica e o departamento médico a jogar e vocês viram no que deu, um desastre total”, antes de revelar uma confidência do atleta feita a ele: “joguei para não me chamarem de pipoqueiro”.

Irritado, ele citou que Cléber Amorim, procurador do atleta, recebeu propostas de outros clubes “para a disputa da Libertadores e até mesmo do exterior” e, por isso, até cogita adquirir a parte que cabe ao clube para evitar mais crises entre atleta e o treinador Luiz Felipe Scolari que, segundo informações de bastidores, tem intenção de repreender o atleta severamente: “eu compro os 54% dele (que pertencem ao Palmeiras) desde que eu seja libertado colocá-lo onde quiser, ou deixá-lo no Palmeiras”.

A crise começou por conta de uma carta com recomendações durante as férias que a diretoria pediu para que o atleta assinasse – ele recusou.

Sem mais artigos