O Universidad do Chile e o técnico da seleção chilena, Claudio Borghi, aumentaram nesta terça-feira seu conflito devido à convocação de quatro jogadores da equipe de Santiago para os próximos jogos pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014.

Na segunda-feira, Borghi optou por dispensar quatro atletas de ‘La U’ – José Rojas, Osvaldo González, Charles Aránguiz e Eugenio Mena – como resposta às dificuldades impostas pelo clube para liberar os convocados dentro do prazo fixado pelo treinador para a preparação para a próxima partida da seleção. No próximo dia 11, o Chile enfrentará a Colômbia em Santiago, pela oitava rodada das Eliminatórias.

Borghi programou o começo concentração do elenco para a próxima segunda-feira. No mesmo dia, o Universidad medirá forças com o Cobreloa, em jogo adiado da primeira rodada do Torneio Clausura, o que levou os dirigentes a pediram autorização à Associação Nacional de Futebol Profissional (ANFP) para que seus jogadores convocados se apresentem à seleção apenas após o compromisso.

Diante da decisão de Borghi de excluir os quatro atletas, ‘La U’ respondeu lembrando que tinha um acordo com a ANFP, mas o técnico argentino replicou: “eu não faço convênios com dirigentes, eu convoco jogadores”.

O técnico convocou nesta terça-feira Yerson Opazo (O’Higgins), Hans Martínez (Universidad Católica) e Matías Campos Toro (Siena/ITA) que substituirão González, Aránguiz, Rojas e Mena.

“Com isso, se dá por fechada a possibilidade de os jogadores do Universidad serem reintegrados à seleção após terem sido cortados”, enfatizou a ANFP em comunicado.
Em meio à confusão, o Universidad anunciou nesta terça-feira que decidiu liberar seus atletas para se juntarem ao elenco da seleção quando Borghi achar melhor. Além disso, o clube destacou “seu total compromisso com a seleção nacional”.

“Consideramos que é mais importante que nossos selecionados participem e sejam alternativas para o técnico Claudio Borghi”, disse ‘La U’, que, no entanto, lembrou no texto que desde julho havia um acordo com a ANFP para que os atletas da equipe se apresentassem apenas após o confronto com o Cobreloa.

O técnico do Universidad, o também argentino Jorge Sampaoli, saiu em defesa de seu clube e deixou a decisão de aproveitar ou não os atletas nas mãos de Borghi.

“Nunca negamos a liberação dos jogadores. Se não quer convocá-los de novo, é um tema totalmente esportivo. Não tenho nenhum conflito com Borghi, sempre lhe demos os jogadores. Não se trata de egos, mas de organização”, disse Sampaoli.

O Chile lidera as Eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2014, com 12 pontos, mas no último dia 15 perdeu por 3 a 0 para o Equador em amistoso realizado em Nova York.

Sem mais artigos