Segundo o site Gazeta Esportiva noticia nesta quinta-feira (07), a LDU Quito, antigo clube de Hernán Barcos, está ameaçando recorrer à FIFA para tentar tirá-lo do Palmeiras e retornar ao Equador. O motivo seria o atraso no pagamento do atacante, um dos únicos poupados pela torcida alviverde pela queda no último Campeonato Brasileiro.

O valor acordado em janeiro de 2012 para ter 70% dos direitos econômicos do atleta era de US$ 4 milhões (cerca de R$ 7 milhões na época), sendo que os 30% restantes continuariam na posse da LDU. O pagamento por parte do time de Parque Antártica seria feito por parcelas. Mas a última delas, de aproximadamente R$ 1,5 milhão, está atrasada.

Esteban Paz, diretor responsável pelo futebol do clube equatoriano, afirma que o cúpula palmeirense, então presidida por Arnaldo Tirone, não honrou o acordo, reclama da resposta dos brasileiros e sente-se desrespeitado.

“O Palmeiras sempre atrasou os pagamentos de cinco a dez dias, mas a última parcela já tem mais de um mês de atraso, o que é lamentável. Enviamos várias notificações e não tiveram nem sequer a delicadeza de responder. Isso nos incomoda muito. Entendemos as dificuldades financeiras que possam existir, mas a falta de respeito é inaceitável”, afirmou Paz à Gazeta Esportiva.

O Palmeiras não nega a dívida dos R$ 1,5 milhão, mas afirma que ela venceu somente no dia 20 de janeiro, dois dias antes da posse de Paulo Nobre como novo presidente. Em tempo, os campeões da Copa do Brasil de 2012 garantem que saldarão a dívida.

“O Barcos está jogando, marcando gols e o Palmeiras não é capaz nem sequer de nos responder, muito menos de pagar o que deve. Por isso, nossos advogados já estão dialogando com a FIFA e com a CBF, porque me parece que é uma falta de respeito”, disse Paz prometendo tomar providências.

Quem já tomou atitude foi o próprio Barcos, dizendo que os dirigentes palmeirenses “responderam que não tinham dinheiro”, visto que Paulo Nobre revelou desconhecer o assunto.

Mesmo com essa polêmica, o pirata renovou o contrato com o alviverde até o final de 2016, mesmo temendo que a má fase do clube atrapalhe sua continuação na seleção argentina. David Barcos, irmão e agente do atleta, não vê como impossível uma saída do camisa 9 no meio do ano, após a Libertadores.

“Em junho vamos apresentar uma oferta”, prometeu Esteban Paz, sem esquecer dos 30% dos direitos econômicos do argentino que ainda pertencem ao clube da capital do Equador. Caso o Palmeiras não interceda e cubra uma oferta, seja da LDU, seja de outro clube indicado pelos equatorianos, Barcos terá que sair.

 

 

Sem mais artigos