O jogo do último domingo (11) entre Ponte Preta e São Caetano no Moisés Lucarelli, em Campinas, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista, valeu para o time da casa três pontos e a liderança, ao lado do São Paulo, que fica na frente somente pelo número de vitórias. Só que o resultado de 3 a 1 teve um preço para a Macaca.

O volante ponte-pretano Ferrugem levou uma entrada criminosa do atacante Danielzinho, do Azulão, e sofreu uma fratura e um rompimento dos ligamentos do tornozelo esquerdo. Resultado: no mínimo seis meses para recuperação.

Fatos como este sempre levantam polêmicas sobre a punição que o “agressor” deveria ter. É triste somente o exercício de imaginar que uma pessoa adulta e profissional possa fazer isso a um colega de trabalho. Mas o que se vê é que dentro das quatro linhas a regra é outra.

Porém, o que fica mesmo, são as cicatrizes, a perda de jogos – importantes ou não – até declínios de carreira. Como a do atacante brasileiro Eduardo da Silva, naturalizado croata. Em um lance, Martin Taylor, do Birmingham, vai propositalmente no tornozelo do então jogador do Arsenal. O resultado é um dos lances mais violentos do futebol. Profissionais da saúde consultados afirmaram que se o atendimento a Eduardo tivesse demorado um pouco mais, o atleta poderia ter perdido o membro.

Veja outras lesões sérias na galeria acima.

Sem mais artigos