Até o momento, os jogos dos clubes e da seleção eram sempre disputados fora da Líbia. Nas Eliminatórias para a Copa do Mundo, na única partida que fez em casa, atuou na cidade de Sfax, na Tunísia. Na qualificatória para a Copa Africana de Nações 2013, a seleção do país atuou em Casablanca, no Marrocos.

Nos dias 7 e 14 de junho, os líbios voltarão a atuar em casa, contra República Democrática do Congo e Togo, ainda sem local definido.

No dia 19 de setembro já havia sido disputado um jogo no país, quando o Al Ahly, da cidade de Trípoli, disputou um amistoso contra o Valetta, de Malta, na primeira partida internacional desde a revolução de 17 de fevereiro.

O ex-atleta da seleção líbia, Ahmad Al Falah, disse que o jogo foi “uma mensagem ao mundo de que Trípoli é uma cidade segura e que a capital e a Líbia vivem em estabilidade”.

No dia 17 de fevereiro de 2011, a população se revoltou contra o regime de Kadafi, que respondeu com violência contra as manifestações. Em poucos dias, a revolta popular passou a ser armada e dominou Benghazi, segunda maior cidade do país.

Durante os nove meses de guerra, entre fevereiro e outubro de 2011, a cidade se transformou na capital dos rebeldes, que após o fim do conflito foram para Trípoli.

Os governos de transição não consiguiram manter uma autoridade e as manifestações se tornaram cada vez mais sangrentas, com assaltos as instituições e represálias contra as forças de segurança.

Dribeka afirmou que mantém contato com Ministério do Interior, com quem coopera para garantir a segurança dos eventos e declarou que buscará ajuda internacional para manter a paz nos estádios. “As equipes de futebol e nossa seleção sofreram com o perigo que todos sofremos”, disse à Efe o jornalista esportivo Abdelfatah Zakari.

Zakari também declarou que a Líbia deve aproveitar a chance para demonstrar que pode receber seus hóspedes com “segurança, hospitalidade e espírito esportivo”.

A população local, no entanto, ainda é temerária quanto as condições de segurança nos jogos de futebol. “Agora começa uma etapa difícil, em que será preciso receber as equipes e protegê-las, especialmente se perdermos em casa”, disse Nouri Mohammed, líbio aficcionado pelo esporte.

Sem mais artigos