A presença de uma mulher desconhecida desfilando junto com o porta-bandeira da Índia na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, na última sexta-feira, está sendo investigada pelo Comitê Organizador (Locog), cujo presidente, Sebastian Coe, revelou que era uma das atrizes que participaram do evento. “Trata-se de um membro da equipe de atores que participou da cerimônia e que possivelmente já tinha terminado seu papel. Falarei com a delegação indiana. Não vou deixar de dar importância a este caso. Vamos investigar”, afirmou Coe na entrevista coletiva diária do Comitê Organizador.

Coe disse ter certeza de que a intrusa, que desfilou sem credencial, “não teria entrado no Parque Olímpico sem ter passado pelo protocolo de segurança”.
A delegação da Índia pediu explicações ao Locog pela presença da mulher desconhecida em sua equipe.

A intrusa, uma estudante de Bangalore, segundo o jornal “The Times” of Índia, desfilou ao lado do porta-bandeira indiano, Sushil Kumar, vestida com uma blusa vermelha e calças azuis, em claro contraste com o uniforme amarelo e negro da equipe feminina.

A misteriosa mulher se infiltrou no grupo de 40 atletas e 11 oficiais indianos que participaram do desfile inaugural dos Jogos Olímpicos. “Ela não deveria estar junto da delegação indiana, e pedimos explicações aos organizadores. Não sabemos quem é ela e nem porque lhe foi permitido entrar no desfile. É uma vergonha ela ter desfilado ao lado dos nossos atletas”, declarou ao “The Times” o chefe da missão indiana, PKM Raja.

Os dirigentes da equipe pensaram que a mulher desconhecida pertencesse ao Comitê Organizador. “Quando entramos no estádio, a mulher que estava caminhando entre a nossa equipe e os atletas olímpicos independentes ficou ao lado do nosso porta-bandeira, Sushil Kumar. Queria chamar a atenção”, explicou o chefe da delegação indiana.

Sem mais artigos