O ex-craque argentino Diego Maradona pretende viajar a Nápoles na próxima semana para participar de uma audiência referente aos problemas que o astro tem com o fisco italiano, com supostas dívidas de impostos de quando o atual treinador do Al Wasl, dos Emirados Árabes, era jogador do Napoli.

A informação sobre a viagem foi divulgada pelo advogado de Maradona na Itália, Angelo Pisani, nesta quarta-feira em entrevista à “Rádio Kiss Kiss”. Ele afirmou que ‘El Pibe’ também pretende assistir à decisão da Copa da Itália, no dia 20 de maio, na qual o clube em que fez história encara a Juventus.

“Falei ontem (terça-feira) com Diego Armando Maradona pelo telefone e ele insistiu na vontade de vir a Nápoles na próxima semana”, afirmou.

O advogado do astro argentino informou que na próxima semana, no dia 5 de abril, haverá uma audiência sobre o processo em que a receita italiana cobra cerca de 40 milhões de euros (mais de R$ 96 milhões) por falta de pagamento do imposto de renda durante a segunda metade da década de 80.

“Maradona quer esclarecer aos napolitanos e aos italianos que não é um evasor fiscal: foi vítima de um complô, de injustiça da Justiça. Ele desconhecia a dívida fiscal porque, como todos podem imaginar, com 25 anos não podia entender nada sobre o fisco”, comentou o advogado.

Segundo Pisani, Maradona vai lembrar que já foi absolvido em outro processo, em 1994, e não pode viajar tranquilamente à Itália. Nesta quinta-feira, o ex-craque deverá enviar uma mensagem de vídeo que será enviada para os italianos para explicar a situação. A gravação será divulgada em uma coletiva de imprensa antes da audiência.

Maradona culpa dirigentes do Napoli e que não teria sido avisado dos impostos enquanto estava no país.

Na tentativa de recuperar os valores cobrados, o fisco já tomou brincos que Maradona utilizava enquanto estava em um centro de emagrecimento no norte da Itália, que foram leiloados em 2010 por 25 mil euros. Em 2006, aproveitando outra visita do astro do futebol, foi confiscado um relógio Rolex avaliado em 11 mil euros.

Sem mais artigos