Diego Armando Maradona pediu nesta sexta-feira (14) que não sofra perseguição do fisco italiano a cada vez que viaje para o país, país que o cobra € 39 milhões (R$ 127,6 milhões) em um processo por evasão fiscal.

“Não sou um fraudador. Quero vir tranquilamente sem ser perseguido. Não tenho nada a esconder. Não tenho estes 49 milhões que me pedem, nunca os recebi”, disse o ex-ídolo do Napoli em visita à sede italiana do Parlamento Europeu, onde foi discutir o caso.

Maradona está na Itália desde terça-feira (11), e chegou a ir ao estádio San Paolo, em Nápoles, para assistir à vitória de seu antigo time sobre a Roma, por 3 a 0, pelas semifinais da Copa da Itália. Mais uma vez, El Pibe acusou o ex-presidente do Napoli, Corrado Ferlaino e seu ex-agente Guillermo Coppola pela fraude.

“Eu jogava futebol. Ferlaino e Coppola se ocupavam dos contratos e agora estão aí, tranquilos. Eu, no entanto, quando venho a Itália, perco até meus brincos. Sei que um dia será feita justiça”, garantiu Maradona.

Sem mais artigos