Mesmo sem mostrar um bom futebol, o Fluminense se recuperou da dura derrota por 3 a 0 sofrida na última semana para o Grêmio em pleno estádio Engenhão ao derrotar o Deportivo Huachipato na base da raça em duelo de campeões nacionais pela terceira rodada do grupo 8 da Taça Libertadores.

Jogando no estádio CAP, em Talcahuano, contra o vencedor do Clausura chileno em 2012, o vencedor do último Campeonato Brasileiro venceu por 2 a 1 de virada. Rodríguez colocou a equipe anfitriã em vantagem nos segundos finais do primeiro tempo. No entanto, após o intervalo, Wellington Nem, que perdera um gol feito na etapa inicial, e Wagner deram o triunfo ao Tricolor.

De lanterna, o Flu passou a líder da chave, com seis pontos. Grêmio, Caracas e Huachipato tem três pontos cada. Os gaúchos enfrentarão os venezuelanos na próxima terça-feira, em Porto Alegre, e um dia depois Fred e companhia voltarão a encarar os chilenos, desta vez no Rio de Janeiro.

Além de se isolar na frente, o Fluminense manteve uma escrita no grupo 8. Até agora, em cinco jogos, apenas os times que atuaram como visitantes saíram de campo vitoriosos.

Pela primeira vez no ano, o técnico Abel Braga conseguiu escalar a formação considerada titular na conquista do título do Brasileirão em 2012. O zagueiro Gum e meia Deco, que iniciaram a temporada com problemas físicos e fizeram sua estreia na Libertadores.

No campeão chileno, Jorge Pellicer fez duas alterações no time em relação à escalação da derrota para o Caracas, na última quarta-feira. O volante Lorenzo Reyes voltou à formação inicial depois de ter se recuperado de uma entorse de joelho. Também no meio-campo, Nicolás Núñez ganhou a vaga de Felipe Reynero.

O jogo começou muito truncado e, embora tivesse mais a bola, o Huachipato pouco se aproximava da área adversária. Os donos da casa apostavam em infrutíferos lançamentos para a área.

A primeira boa chance foi do Flu, aos oito minutos do primeiro tempo. Wellington Nem se movimentou na direita e bateu cruzado. De carrinho, Fred completou por cima.

As jogadas aconteciam de intermediária a intermediária, e as equipes ficavam esperando erros do adversário, algo que aconteceu aos 18. Jean lançou de muito longe, o goleiro Veloso saiu de forma esquisita e a bola sobrou limpa para Thiago Neves, que, quase na pequena área, não conseguiu dominar.

As tentativas pelo alto do Huachipato finalmente deram algum trabalho para Diego Cavalieri aos 29 minutos. Núñez chegou ao fundo pela direita e alçou a bola na área, onde Rodríguez arrematou com estilo, de costas para o gol. Bem colocado, o goleiro encaixou.

Aos poucos, a equipe visitante foi se soltando, e o primeiro gol só não aconteceu aos 36 por uma combinação de incompetência e displicência de Wellington Nem. Após lançamento de Jean, Thiago Neves escorou para o meio da pequena área, de onde, livre e sem goleiro, o jovem atacante acertou a trave.

Tudo apontava para um empate durante o intervalo, mas, numa desatenção da defesa tricolor, os chilenos fizeram 1 a 0. Bruno não deu combate e Crovetto cruzou para Rodríguez, que se antecipou a Leandro Euzébio e chutou forte na saída de Cavalieri.

Tentando reagir, o Fluminense assustou Veloso com 20 segundos da etapa final. Wellington Nem acelerou pela direita e tocou para Fred, que adiantou para Thiago Neves. O meia encheu o pé e encobriu a meta por pouco.

O Huachipato cometia erros primários, principalmente de passes, mas o atual campeão brasileiro, amplamente melhor na parte técnica, até pressionava, mas esbarrava no próprio nervosismo. O único recurso ainda era a jogada aérea, usada novamente aos sete minutos, quando González bateu falta e, sozinho, arrematou por cima.

O controle do jogo, contudo, era dos visitantes. Wellington Nem escapou pela direita e, de três dedos, mandou para o meio da área. Fred ainda conseguiu tocar na bola, mas Veloso saiu de maneira arrojada e evitou o empate. Cinco minutos depois, atacando de lateral-direito, Gum levantou e o próprio Fred cabeceou para fora.

De tanto insistir, e com um atacante no lugar de um zagueiro – Rhayner substituiu Leandro Euzébio, o Flu enfim empatou aos 21. Carlinhos levantou, Fred ajeitou com o peito e Nem, num chute muito mais difícil que o do primeiro tempo, acertou uma bomba de pé direito.

O gol deixou o jogo lá e cá. Fred cabeceou livre após cruzamento da esquerda, aos 25, e mandou nas mãos do goleiro. A resposta veio dois minutos depois, quando Nuñez ficou na cara de Cavalieri e chutou por cima.

Criticado devido aos tropeços recentes, principalmente pela derrota para o Grêmio, Abel Braga mostrou ter estrela. O técnico mandou Wagner a campo no lugar de Deco e, 24 segundos depois de ter entrado, aos 31 minutos, Wagner pegou a sobra após dividida de Wellington Nem, tocou rasteiro e virou o placar.

Após a virada, os donos da casa enfim se lançaram para o ataque. Como é costume, depois de se colocar à frente no marcador, o Fluminense recuou, mas o adversário não conseguia trocar passes e apelava para os “chuveirinhos”.

O Tricolor esteve perto do terceiro aos 40, com Rhayner, que não sabe o que é fazer um gol há dois anos. Wagner cobrou escanteio da esquerda, o ex-atleta do Náutico finalizou com estilo e carimbou a trave. Ao menos, o lance não fez falta para os brasileiros, que ainda foram sufocados nos instantes finais, mas resistiram.

Sem mais artigos