Sede da Copa do Mundo de 2022, o Qatar e suas riquezas, não contente apenas com realização da competição, quer também um mundial de seleções com jogadores veteranos. A ideia, que surgiu de um papo entre os ex-atletas Kluivert, da Holanda, Mendieta, da Espanha, Gattusso, da Itália, e Heinz e Verón, ambos da Argentina, é mostrar que, com algumas regras espefcíficas para os mais velhos, o país tem condições climátias para abrigar qualquer evento. A informação é do jornal espanhol AS.

Diretor geral da Aspire (academia de jogadores fundada no Catar) e ex-diretor de estratégias do Real Madrid, o espanhol Iván Bravo comentou sobre a possibilidade de juntar os maiores craques da história do futebol em um evento teste antes da Copa do Qatar.

“O projeto é interessante. Nós vamos estudar e se a Fifa não se importar, tiraremos do papel. Será um primeiro ensaio para o Mundial de 2022 e usaremos todos nossos recursos para levarmos a ideia para frente”, afirmou o dirigente, que sonha em ver Ronaldo e Zidane se enfrentando novamente, como foi em 1998 e em 2006.

Com patrocinadores e emissoras de televisão dispostos a entrar no projeto da Copa dos Veteranos, Drago garante que, caso ela ocorra, todo o lucro gerado por ela será revertido para a UNICEF.

De acordo com a reportagem, a ideia do Mundial seria para o ano de 2016 e o projeto é para contar com 16 países. Dentre os relacionados entrariam Brasil, Espanha, Alemanha, Itália, França, Uruguai, Argentina e Inglaterra como os principais. Seleções da África e Oriente Médio também estariam presentes.  Com relação a idade dos atletas, nada está definido, mas o mais provável é que ex-jogadores entre 35 e 50 anos poderiam atuar na competição, que teria dois tempos de 30 minutos por partida, sem limites de substituições.

Sem mais artigos