O reatamento das negociações entre os donos de equipes da NBA e o sindicato de jogadores terminou com outra sessão de mais de oito horas de trabalho em um hotel de Nova York sem que as partes chegassem a um acordo para acabar com o lock out patronal que já dura 129 dias.

O comissário da NBA, David Stern, na entrevista coletiva após terminar a reunião, que voltou a ser presidida pelo mediador federal George Cohen, adiantou que os donos tinham feito uma nova proposta e tinham dado ao sindicato de jogadores até a próxima quarta-feira para que tomassem uma decisão.

“Foi um dia muito longo”, declarou Stern antes de começar a entrevista coletiva na qual explicou o que aconteceu na reunião e a postura mantida pelos donos das equipes.

Stern disse que Cohen tinha levado à reunião seis recomendações e os donos aceitaram cinco para colocá-las em sua proposta, incluindo a de oferecer uma faixa de 49% a 51% que os jogadores receberiam na divisão de receita.

As recomendações de Cohen também estavam relacionadas com a isenção de nível médio, as restrições às equipes que pagassem o imposto de luxo e outros aspectos relacionados com o sistema salarial e de contratos.

“Dissemos aos jogadores que poderíamos pôr por escrito todas as recomendações aceitas na proposta para que tivessem a oportunidade de entender cada um dos aspectos com total transparência por ambas as partes e a esperança de que a aceitassem”, destacou Stern.

“Teríamos a capacidade de chegar a um acordo sobre essas bases até a próxima quarta-feira”.

Stern também antecipou que se depois dessa data o sindicato não der uma resposta positiva, a proposta dos donos poderia ser muito pior e voltar a 47% na divisão de receita.

“Se não somos capazes de chegar a um acordo sobre os termos anteriores para a quarta-feira, então teremos que apresentar uma nova proposta aos jogadores, que faríamos de novo por escrito”, avaliou Stern.

“A mesma teria que recolher todas as que fizemos anteriormente e acreditar que o sindicato a aceite”.

Stern informou que o sindicato não aceitou a oferta feita pela NBA como estava estabelecida.

“Penso que é correto responder dessa maneira do ponto de vista do sindicato e através de seu advogado Jeffrey Kessler, que rejeitou as recomendações do mediador e nossa proposta”, avaliou Stern. “Mas a esperança é eterna e gostaríamos que o sindicato aceitasse a proposta que agora está sobre a mesa”.

Sobre o ultimato que a NBA deu até quarta-feira, Stern disse que desejavam dar ao sindicato o tempo suficiente para que considerem com tranquilidade a última proposta, tendo a esperança de que a aceitassem.

Stern também disse que tinha confiança em que poderia convencer a maioria dos donos para que pudessem aceitar a proposta que lhes tinham apresentado os jogadores e a ratificassem.

No entanto, admitiu que as negociações estão começando a frustrá-lo.

“Estou cansado”, destacou Stern. “Fizemos uma proposta que acreditamos possa ser aceita para quarta-feira e não vou entrar mais em porcentagens nem coisas parecidas, o que queremos é que nossos jogadores estejam ativos, ter uma temporada de competição e nos preparar para disputar o máximo de jogos”.

A resposta dos jogadores não veio na entrevista coletiva e o presidente do sindicato, Derek Fisher, armador do Los Angeles Lakers, disse que o dia tinha sido “muito negativo” em todos os sentidos.

“Foi outro dia muito ruim para nossos torcedores”, declarou Fisher. “Muito frustrante e ruim na realidade”.

Fisher reiterou que tinham chegado à mesa de negociações para fazer de novo o máximo de esforço na direção de alcançar um acordo, no entanto, não foi possível.

“Fizemos mudanças que foram muito significativas, sinceras e claramente orientadas a aproximar as posições”, assinalou Fisher. “Necessitamos de um sistema justo para nossos jogadores no acordo que assinarmos”.

O presidente do sindicato disse que o que não se podia fazer era dar-lhes um ultimato para decidir sobre uma proposta que não é a melhor nem a mais justa.

Além disso, Fisher disse que discordava do que foi comentado por Stern acerca das recomendações feitas por Cohen, que para o sindicato nunca existiram.

Fisher concluiu suas breves declarações dizendo que os jogadores não aceitavam a nova proposta que lhes foi apresentada pelos donos.

Nenhuma das partes disse que estão programadas novas sessões de trabalho nos próximos dias.

Sem mais artigos