O Santos venceu o Universidad do Chile por 2 a 0 nesta quarta-feira (26) e, depois de ter empatado em 0 a 0 no jogo de ida, conquistou pela primeira vez em sua história o título da Recopa Sul-Americana, que reúne os campeões da Taça Libertadores da Copa Sul-Americana do ano anterior e começou a ser disputada em 1989.

O título foi conquistado com relativa tranquilidade, já que uma vitória simples no estádio do Pacaembu já deixaria a taça com o Peixe. Porém, Neymar poderia ter tornado a conquista ainda mais fácil, mas perdeu um pênalti, defendido pelo goleiro Jonhny Herrera, ex-Corinthians. No jogo de ida, em Santiago, ele já havia errado uma cobrança ao escorregar no gramado molhado e chutar para fora.

Esse é o oitavo título internacional do time da Baixada Santista, que é tricampeão da Taça Libertadores (venceu o torneio pela última vez em 2011), bi da Copa Intercontinental e também já faturou a Copa Conmebol e a Recopa Mundial. Já ‘La U’ tem apenas a Copa Sul-Americana do ano passado.

Na primeira decisão que disputou desde a saída do meia Paulo Henrique Ganso, que se transferiu para o São Paulo, o Santos teve apenas um desfalque, o lateral-direito Jorge Fucile, que ainda se recupera de uma lesão ligamentar no pé esquerdo. Bruno Peres continua sendo o titular da posição.

Foi necessário apenas um minuto para que Neymar aparecesse bem no campo de ataque do Peixe. O jovem craque fez boa jogada individual, e arriscou de fora da área, batendo rasteiro. A bola passou perto da trave direita e foi para fora.

O time da casa exerceu uma pressão inicial, mas dependia muito de Neymar, que estava bem marcado. Aos poucos, ‘La U’ foi se encontrando em campo e levando perigo, como aos 21 minutos, quando Aránguiz encheu o pé de longe e mandou para fora.

Percebendo o crescimento do adversário no jogo, o Santos tratou de reagir e abriu o placar aos 28. Felipe Anderson rolou para Neymar, que dominou no meio, tocou para André, recebeu de volta dentro da área e chutou no canto de Herrera, goleiro que defendeu o Corinthians em 2006.

O gol deu moral ao time anfitrião, que teve amplo domínio até o intervalo. Aos 36 minutos, Felipe Anderson deixou dois marcadores para trás, arriscou de fora da área e por pouco não acertou o canto esquerdo.

Pouco antes do fim do primeiro tempo, aos 44 minutos, Neymar teve pênalti para bater, mas, como já havia acontecido na ida, o camisa 11 desperdiçou a cobrança. Herrera pulou no canto esquerdo e espalmou.

O Universidad voltou do vestiário com duas substituições e passou a atacar mais. Logo aos cinco minutos da segunda etapa, Lorenzetti cruzou no escanteio, Ubilla apareceu livre no segundo pau e cabeceou para fora.

Depois de ter sido pressionado nos primeiros minutos, reagiu da melhor maneira possível, com gol. Aos 15, Felipe Anderson bateu falta da esquerda para o meio da área, onde Bruno Rodrigo subiu e cabeceou no canto esquerdo.

‘La U’ não mostrou muita força para reagir e pouco incomodava Rafael, que era um mero espectador do jogo. Quando a equipe chilena tinha mais espaço, errava, como aconteceu aos 34 minutos. Mena avançou pela esquerda e chegou ao fundo, mas, na hora de cruza, errou feio e cedeu o tiro de meta.

Não houve tempo nem futebol para uma reação chilena, mas apenas para alguns dribles de Neymar. Depois de um deles, Lorenzetti, o mais destacado dos atletas do Universidad, “apelou” e derrubou a joia brasileira com uma rasteira.

Ficha técnica:

Santos: Rafael; Bruno Peres (Éverton Páscoa), Bruno Rodrigo, Durval e Léo (Gérson Magrão); Adriano, Arouca, Felipe Anderson e Patito Rodríguez (Miralles); Neymar e André. Técnico: Muricy Ramalho.

Universidad do Chile: Johnny Herrera; Osvaldo González, Albert Acevedo (Paulo Magalhães), Sebastián Martínez e José Rojas; Matías Rodríguez (Francisco Castro), Charles Aránguiz (Guillermo Marino), Eugenio Mena e Gustavo Lorenzetti; Sebastián Ubilla e Enzo Gutiérrez. Técnico: Jorge Sampaoli.

Árbitro: Martín Vázquez (Uruguai), auxiliado pelos compatriotas Mauricio Espinosa e Miguel Nievas.
Cartões Amarelos: Adriano e Durval (Santos); Osvaldo González, Sebastián Martínez, José Rojas e Lorenzetti (Universidad do Chile).
Gols: Neymar e Bruno Rodrigo (Santos).
Estádio: Pacaembu, em São Paulo.

Sem mais artigos