Com uma campanha irretocável e invicta, a seleção da Nigéria conquistou a 1ª edição da Copa do Mundo dos Refugiados, que aconteceu no último final de semana (2 e 3 de agosto), no Centro Esportivo Novo Glicério, na região central da cidade de São Paulo. Após um empate em 3 a 3 no tempo normal contra o time de Camarões, os nigerianos levaram a melhor na decisão por pênalti, ficando com a taça após um 3 a 1 nas penalidades.

Para chegar até o título, a Nigéria, país mais populoso do continente africano, derrotou a seleção de Angola na primeira fase e a equipe do Congo na etapa seguinte, ambas as partidas disputadas no sábado (02), além da Guiné Guiné Conacri, no domingo (03), jogo este válido pelas semifinais.

Colômbia, Bangladesh, Mali, Afeganistão, Cuba, Síria, Costa do Marfim, Serra Leoa, Paquistão, Burkina Faso Iraque e Togo foram às outras equipes de refugiados que também participaram da primeira edição do torneio.

Inspirada na Copa do Mundo de 2014, e também nas partidas de futebol disputadas todos os domingos embaixo do viaduto do Glicério por muitos refugiados de diversos países africanos, asiáticos e sul-americanos, a Copa dos Refugiados foi organizada pelos próprios imigrantes e contou com o apoio de várias instituições, entre elas a Agência de Refugiados do ONU (ACNUR), a Caritas Arquidiocesana São Paulo, ONU Mulheres, a UNAIDS e a ONG IKMR – Eu conheço meus direitos.

Assim como na Copa do Mundo de 2014, com seu single We Are One, a Copa dos Refugiados também ganhou sua música oficial, cantada pelos rappers Guslarime Lobisomen e Uchen.

Dos 13 jogos disputados na Copa dos Refugiados, dois ganharam destaque pelo número de gols marcados. Togo e Afeganistão e Camarões e Iraque, ambos disputados no sábado e válidos pela primeira fase da competição, terminaram com vitórias por 10 a 0, para togoleses e camaroneses.

Clique na galeria acima e veja algumas cenas do jogo final e da comemoração da Nigéria

Sem mais artigos