O Brasil chega aos Jogos Olímpicos com uma novidade em sua preparação. Em São Paulo, a maioria dos atletas que estarão em Londres passou pelo Núcleo de Alto Rendimento, do grupo Pão de Açúcar.

O local foi criado para que os atletas, de alto rendimento, pudessem fazer testes de potência e fisiológicos em busca de uma melhora em seu rendimento nas competições. Além disso, alguns testes servem para adequar o treino ideal a ser feito para prevenir futuras lesões.

O investimento para a construção do estabelecimento foi de R$ 4 milhões. No entanto, esse valor foi gasto apenas para o levantamento da estrutura física. Posteriormente, aparelhos foram comprados, o que elevou essa quantia, mas o montante gasto não foi divulgado.

Apesar de toda essa estrutura, os responsáveis pelo local sabem que o resultado em Londres ainda não estará relacionado com o trabalho feito no núcleo.

“Seria injusto falar, a curto prazo, que os resultados positivos que forem obtidos por atletas que trabalham aqui dentro é fruto só do trabalho no centro. A mesma forma que seria injusto falar que se a gente não obtiver resultado magníficos em Londres é culpa do centro”, disse Irineu Loturco, diretor técnico do local.

Ainda segundo o porta-voz do local, os resultados do trabalho que está sendo feito no núcleo virão a longo prazo, em cerca de oito e dez anos.

Antes de Londres, o local recebeu nomes como Fabiana Murer, Keila Costa, Lara Teixeira, Nayara Figueira, Thomaz Bellucci, além da seleção de basquete.

Sem mais artigos