O Palmeiras, apesar de tentar segurar de todas as formas o meia Valdivia, já admite negociá-lo, após o sequestro relâmpago que o chileno sofreu na semana passada, revelaram nesta quarta-feira fontes do clube.

“Não existem propostas, mas estamos tentando ajudá-lo a se recuperar, para reverter seu quadro emocional”, afirmou César Sampaio, diretor de futebol do Palmeiras.

Segundo fontes do clube citadas pela imprensa paulista, caso Valdivia decida deixar o futebol brasileiro, seu passe não seria negociado por menos de US$ 7 milhões (pouco mais de R$ 14 milhões). Esse é o valor que o clube pagou para contratá-lo junto ao Al-Ain, dos Emirados Árabes, em 2010.

“Se Valdivia insistir em sair, a situação será estudada pelos departamentos jurídico e financeiro do clube”, disse César Sampaio. O ex-volante ainda afirmou que não há possibilidade do jogador deixar o Palmeiras sem o clube receber qualquer compensação.

Valdivia e a esposa, Daniela Aránguiz, foram vítimas de um sequestro relâmpago na última quinta-feira, em São Paulo. O casal foi abordado por um homem armado, que os obrigou retirar dinheiro em caixas eletrônicos e até fazer compras em um supermercado.

Após o incidente, o jogador e a esposa viajaram para o Chile. Ela já teria afirmado à outros parentes que não se sente segura no Brasil e que não pretende voltar ao país.

O jogador retornou ao Brasil na segunda-feira passada, mas não fez nenhuma declaração pública desde então.

Sem mais artigos